Oceanos

Islândia planeia acabar com a caça à baleia a partir de 2024

Islândia planeia acabar com a caça à baleia a partir de 2024

A Islândia, um dos últimos três países no mundo que ainda permite caçar baleias, planeia abolir as suas quotas a partir de 2024 face à baixa procura, anunciou esta sexta-feira a ministra das Pescas do país.

"A menos que haja provas em contrário, há poucos motivos para permitir a caça à baleia a partir de 2024", quando as quotas atuais expiram, disse o ministra Svandis Svavarsdottir, membro do partido de esquerda ecologista no poder na Islândia.

A Islândia, a Noruega e o Japão são os únicos países do mundo que permitem a caça à baleia.

PUB

"Há poucas provas de que haja um benefício económico para esta atividade", apontou num artigo de opinião publicado no jornal Morgunbladid.

As quotas da Islândia, que foram reavaliadas em 2019, permitem a captação todos os anos de 209 baleias comuns, o segundo maior mamífero marinho depois da baleia azul, e 217 baleias-de-minke (ou baleia-anã), um dos mais pequenos cetáceos, até ao final de 2023.

No entanto, nos últimos três anos, as duas principais empresas detentoras de licenças têm estado paradas e uma delas anunciou na primavera de 2020 que estava a guardar definitivamente os seus arpões.

Apenas um animal foi arpoada nas últimas três estações de verão, uma baleia-anã em 2021.

Em causa está a difícil concorrência com o Japão -- o principal mercado para a carne de baleia -- onde a atividade comercial foi retomada desde 2019, depois de Tóquio se ter retirado da Comissão Baleeira Internacional.

Em 2018, no último verão da caça à baleia em águas islandesas, 146 baleias comuns e seis baleias-de-minke foram arpoadas.

A caça comercial à baleia foi proibida em 1986 pela Comissão Baleeira Internacional, mas a Islândia, que se tinha oposto à moratória, retomou-a em 2003.

Só a caça de baleias azuis, proibida pela Comissão, é também proibida na Islândia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG