Covid-19

Israel apenas começou agora a vacinar os trabalhadores palestinianos

Israel apenas começou agora a vacinar os trabalhadores palestinianos

Israel comemorou na segunda-feira a vacinação contra a covid-19 de cinco milhões de cidadãos, no mesmo dia em que começou a vacinar os palestinianos que trabalham no país, uma disparidade temporal que foi criticada pela comunidade internacional.

Israel continua a liderar entre os países com campanhas de vacinação em curso. Na segunda-feira, o Governo israelita celebrou a administração da vacina a mais de metade da população -- o país tem pouco mais de nove milhões de habitantes.

Contudo, também foi apenas na segunda-feira que iniciou a campanha de vacinação dos cerca de 100 mil palestinianos que trabalham em território israelita.

A comunidade internacional criticou a disparidade temporal e alertou para o aumento do fosso entre países mais ricos, como, por exemplo, Israel ou os Estados Unidos da América (EUA), e países com menor capacidade de aquisição de vacinas e de implementação de um programa de inoculação.

Até segunda-feira, a Autoridade Palestiniana, que administra as regiões autónomas inseridas no território ocupado por Israel, tinha recebido apenas doses de vacinas suficientes para seis mil pessoas.

Enquanto em Israel o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, - que está à procura de uma vitória nas legislativas agendadas para este mês -- anunciou a reabertura da economia, a promessa de vacinar toda a população adulta até ao final de abril e o fim da "crise" provocada pelo SARS-CoV-2, no território palestiniano a campanha de vacinação não chegou sequer a um 'tímido arranque'.

Enquanto para os israelitas o momento parece ser de celebração, para os palestinianos ser vacinado é sinónimo de sobrevivência.

PUB

"Fui vacinado e posso trabalhar. Se não formos vacinados não recebemos a autorização" para atravessar a fronteira, disse à Associated Press (AP), Anwar Muhammad Awarin, enquanto mostrava o certificado de vacinação no smartphone.

O palestiniano foi um dos seis mil trabalhadores que recebeu a primeira dose da vacina da Moderna, administrada por paramédicos israelitas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG