O Jogo ao Vivo

Ocupação

Israel cria task force para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel cria task force para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia, informaram, esta terça-feira, as autoridades locais.

"Precisamos de aproveitar os 18 meses que faltam para a entrada em vigor da decisão e tentar alterá-la. Queremos criar uma pressão sobre a Unilever e a Ben & Jerry's, de longo prazo, através dos consumidores e dos políticos na imprensa e nas redes sociais para entrar em diálogo com as empresas", disseram as autoridades israelitas.

De acordo com site de notícias norte-americano "Axios", o governo israelita está preocupado com o facto de a ação da Ben & Jerry's encorajar outras empresas internacionais a tomarem medidas semelhantes.

Um telegrama confidencial do Ministério dos Negócios Estrangeiros, visto pelo Axios, deixa claro que o governo israelita quer enviar uma mensagem.

Na semana passada, a Ben & Jerry's anunciou que, a partir de janeiro de 2023, não vai permitir que os gelados sejam comercializados em territórios palestinianos ocupados, mas vai poder continuar a vendê-los dentro das fronteiras de Israel, anteriores a 1967.

A decisão da empresa norte-americana, que assumiu posições políticas, chegou quase uma década depois de pressão de ativistas pró-palestinianos, sendo que, no ano passado, o governo israelita conseguiu demover a Ben & Jerry's a tomar tais medidas.

Mas, segundo o "Axios", depois dos recentes conflitos na Faixa de Gaza, a pressão sobre a Ben & Jerry's aumentou, e, nas últimas duas semanas, ficou claro que a decisão de boicotar a ocupação israelita nas colónias da Cisjordânia estava iminente.

PUB

O governo israelita, no entanto, tentou pressionar a Unilever para impedir a empresa de gelados a tomar essa decisão, mas a proprietária disse que a Ben & Jerry's tinha o direto de tomar as medidas, como parte da sua política de responsabilidade corporativa e da justiça social.

Em 22 julho, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel enviou um telegrama a todas embaixadas israelitas na América do Norte e na Europa, ordenando-lhes que começassem uma campanha de pressão contra a Ben & Jerry's e a Unilever, de modo a convencê-los a negociar.

Diplomatas israelitas foram instruídos a encorajar organizações judaicas, grupos de defesa pró-Israel e comunidades evangélicas a organizar manifestações junto aos escritórios da Ben & Jerry's e da Unilever, para pressionar os investidores e os distribuidores das empresas.

O governo pediu ainda aos diplomatas que pressionassem e condenassem as empresas, estimulando "protestos públicos nos media e diretamente com os principais executivos das empresas.

Os diplomatas foram também estimulados a ecoar os protestos nas redes sociais para conseguir maior visibilidade.

A Embaixada de Israel em Washington e os consulados de Israel no EUA foram solicitados a pressionar através da lei anti-BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) em vários estados, envolvendo governadores, presidentes de Câmara, congressistas, funcionários estaduais e advogados.

As autoridades israelitas acrescentaram que Ben & Jerry's e a Unilever "cederam e cooperaram com o movimento BDS", alegando ser parcialmente "motivado pelo antissemitismo", referindo que a decisão das empresas foi "hipócrita, vai contra os valores da responsabilidade corporativa e cheira a cultura extrema de cancelamento".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG