Canadá

Casa do Alentejo de Toronto ajuda 40 famílias que precisam de cuidados paliativos

Casa do Alentejo de Toronto ajuda 40 famílias que precisam de cuidados paliativos

A pandemia de covid-19, entre outras coisas, trouxe consigo a degradação da qualidade e condição de vida de muitas pessoas, em particular aquelas que já padeciam de algumas doenças, em que a falta de comida se tornou numa dura realidade.

Em Toronto, sensibilizados pela crueldade da vivência de um assistente social, os portugueses da Casa do Alentejo têm desde agosto do ano passado feito e distribuído comida por famílias com pessoas com necessidades de cuidados paliativos.

José Dias, assistente social de uma instituição do Governo do Canadá, começou a ter portugueses que uma das coisas que mais pediam era comida. Conhecedor do espírito de entreajuda da comunidade portuguesa, João falou com algumas instituições, tendo a Casa do Alentejo aderido desde a primeira hora àquilo a que chamaram de "Banco de Refeições" - Comida deliciosa para os necessitados.

Inicialmente, a confeção das refeições era feita de quinze em quinze dias, mas, com o agravar da pandemia, passou a ser semanal. Assim, todas as segundas-feiras são confecionadas quatro dezenas de refeições que incluem sopa, prato principal, sobremesa, pão e uma bebida.

As famílias são identificadas por João Dias e cerca de uma dezena de voluntários, que além de alentejanos têm alguns açorianos, confecionam a comida, que depois é entregue por outros quatro voluntários. As refeições são entregues nas residências das famílias e também em algumas instituições, nem todas em Toronto, algumas fora do perímetro urbano da grande cidade.

"Quando assumimos este projeto enviámos cartas a empresas e particulares e temos tido grande recetividade. O donativo mínimo é 300 euros que nos garante a feitura das 40 refeições. Muitas pessoas vêm no Facebook da Casa do Alentejo e liga-nos a oferecer ajuda, depositando o dinheiro na conta da nossa instituição. Também recebemos géneros alimentares, pão e bebidas", contou ao JN, Teresa Sousa, uma das dinamizadoras do "Banco de Refeições".

Com a pandemia a sede da instituição está encerrada às atividades lúdicas e culturais, bem como o seu restaurante. "Abrimos a cozinha só para tratar das refeições. O frio e da neve com se vive na cidade, são ultrapassados com o calor, a alegria e a dedicação para com os nossos compatriotas que necessitam", conta a mulher, que chegou a Toronto em 1987 e há 28 anos que é sócia da Casa do Alentejo.

PUB

Mas o "Banco de Refeições" vai além de levar os almoços. "Já demos 20 cabazes com géneros alimentares no Natal oferecidos pelas mulheres da nossa Casa e agora mais 10 oferecidos por um casal amigo da instituição", revela feliz Teresa Sousa, que enaltece "o espírito de ajuda" que envolve todos os voluntários do projeto.

Casa do Alentejo celebra, sem festejos, o 38º aniversário

Tradicionalmente, o aniversário e a Semana Cultural, que se realiza em setembro/outubro, são duas das grandes, senão mesmo as maiores, iniciativas da instituição.

O Centro Comunitário da Casa do Alentejo de Toronto surgiu da necessidade dos Alentejanos residentes em Toronto de terem um lugar para chamar de seu. O sonho tornou-se realidade a 20 de fevereiro de 1983. A organização conta com cerca de 350 sócios.

Desde a sua fundação, a Casa do Alentejo tem desempenhado um papel dinâmico na promoção e preservação da cultura portuguesa na cidade de Toronto. Muitos foram os cantores, grupos corais, figuras do desporto, da cultura e da política, nascidos no Alentejo que já passaram pela instituição.

O edifício da Casa do Alentejo, localizada no 1130 da Dupont Street, foi durante muitos anos sede do LIUNA Local 183, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil, o mais forte e importante do Canadá, liderado por portugueses, cujas instalações estavam fechadas antes de serem adquiridas do centro comunitário português.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG