Mundo

Joséphine Baker tornou-se a primeira mulher negra a integrar o Panteão de Paris

Joséphine Baker tornou-se a primeira mulher negra a integrar o Panteão de Paris

A célebre cantora e bailarina franco-americana, Joséphine Baker, tornou-se, na terça-feira, a primeira mulher negra a integrar o Panteão de Paris, numa cerimónia que homenageou uma vida "que procurou a liberdade e a justiça".

Ao som de 'Me again Paris', uma das canções mais conhecidas da artista, o cenotáfio, monumento sepulcral erigido em memória de um morto sepultado noutra parte, de Joséphine Baker, entrou no Panteão numa cerimónia que contou com a presença do Presidente francês Emmanuel Macron.

Os restos mortais da artista permanecerão no cemitério do Mónaco, não muito longe do túmulo da Princesa Grace, que a apoiou nos últimos anos da sua vida.

A cerimónia decorreu sob o olhar comovido de onze dos seus filhos, mas também de políticos, artistas e cidadãos comuns, noticiou a agência AFP.

Ícone dos loucos anos 20, Joséphine Baker, que nasceu em 1906 nos EUA, antes de adotar a nacionalidade francesa, tornou-se a sexta mulher em 80 personalidades a serem acolhidas naquele edifício neoclássico no coração de Paris.

O que determinou a entrada de Josephine Baker no Panteão foi o seu "compromisso" e o facto de ter decidido lutar pela França envolvendo-se na resistência à ocupação nazi durante a Segunda Guerra Mundial.

Igualmente contribuiu a sua participação na grande marcha de Washington, em 1963, em prol dos direitos civis dos negros juntamente com Martin Luther King, onde se apresentou de uniforme militar e com as suas medalhas de guerra.

PUB

Na fachada onde se lê 'Aos grandes homens, a pátria é agradecida' foram exibidas imagens da sua vida, acompanhadas por aplausos do público presente.

A entrada no Panteão acontece 46 anos após a sua morte, em 12 de abril de 1975, aos 68 anos.

"Artista de renome mundial, comprometida com a Resistência, incansável ativista anti-racista, esteve envolvida em todas as lutas que reúnem cidadãos de boa vontade, em França e no mundo (...). Encarna o espírito francês", realçou o chefe de Estado francês.

Emmanuel Macron quebrou a norma e aumentou o leque de franceses com honras de Panteão, que é na sua maioria estadistas, heróis de guerra ou escritores.

Esta escolha surpreendente conseguiu ter o consenso de toda a classe política, a cinco meses das eleições presidenciais naquele país.

Nascida numa família pobre nos EUA, ainda jovem fugiu da segregação e estabeleceu-se em França. Josephine Baker encantaria Paris e protagoniza momentos icónicos como as danças Charleston, em topless, ao som de jazz ou as atuações no cabaré Folies Bergère, apenas com um cinto de bananas ao lado de uma pantera viva.

A primeira música que interpretou 'Tenho dois amores, o meu país e Paris', em 1930, no Casino da capital francesa, viria a consagrá-la.

Naturalizada francesa em 1937, ao casar-se com um industrial judeu, a artista teve também um papel importante na Segunda Guerra Mundial, aceitando o papel de contraespionagem para aproveitar os convites de embaixadas e países estrangeiros para recolher informações.

Além de cantar, as deslocações serviam também para espiar para a Resistência Francesa, transmitindo a Londres mensagens codificadas através das suas pautas musicais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG