França

Meninos sem-abrigo portugueses estudam numa estação de comboios de Paris

Meninos sem-abrigo portugueses estudam numa estação de comboios de Paris

Meninos de 8 e 13 anos estudam numa estação de comboios. Portugal segue o caso mas não pode atuar.

A história é contada no jornal francês "Le Parisien" e construída de tal forma em torno da proteção dos visados que é impossível chegar a eles. E eles são Amália, 37 anos, Leandro, 13, e Adriano, 8. Nomes fictícios escolhidos pela repórter. Uma família monoparental portuguesa. Uma família em dificuldades. Uma família condenada a viver nas ruas da região de Paris, atirada para elas pela falta de lugares nas pensões sociais de apoio aos sem-abrigo - que a França prosaicamente apelida de "sem domicílio fixo" -, pela falta de vaga na habitação social, pela falta de um emprego estável que pague as rendas cada vez mais incomportáveis. A história é desfiada ao ritmo das horas de um dia frio e húmido do outono parisiense. E vai sendo lida ao ritmo de murros no estômago até à estocada final: uma fotografia de Adriano a fazer os trabalhos de casa, ajoelhado no chão do cais de uma estação do RER, a rede de comboios regionais da Île-de-France, com o banco a servir de secretária, cadernos espalhados, mochila no chão.

Realidade crescente

Adriano e Leandro são apenas uma história entre milhares na França pouco glamorosa que se esconde atrás do brilho das luzes. E essa França fica demasiado perto dos Campos Elíseos. Um número citado no artigo: dos 40 mil lugares em pensões pagas pelos serviços sociais na região de Paris, "20 mil" são ocupadas por "miúdos". Outro: 700 das famílias que todos os dias ligam para o número de apoio em busca de uma cama têm crianças, calcula Éric Pliez, presidente dos serviços de emergência humanitária, o SAMU Social. "O aumento das famílias na rua constata-se a cada ano".

As palavras de Amália são uma descrição crua da vida. "Temos de passar por um pequeno buraco numa rede para sair de nossa casa". Chama-lhe casa. A casa deles. É um abrigo devoluto, ocupado à revelia. Sem luz. Sem aquecimento. Estão cinco graus naquele dia em que Maïram Guissé, a jornalista do "Le Parisien", acompanhou a família. Dormem vestidos, sob edredões oferecidos, imaginamos que juntos, o calor humano é o melhor aquecedor da alma.

E são os primeiros a chegar à porta ainda fechada da escola. Amália conseguiu inscrevê-los, com a morada de um estúdio onde chegou a dar aulas de dança. Chegam cedo porque saem escondidos de "casa", porque o segredo é o que lhes garante que não serão expulsos. Saem cedo e chegam tarde, noite feita. "Não quero dizer onde vivo exatamente, não quero que nos encontrem e que o proprietário nos ponha na rua, como já aconteceu", conta, de uma vida de migrante recente, em busca do sonho de "oferecer um futuro melhor aos meus filhos".

De um T1 para uma igreja

De Portugal resta a memória de um T1. Dos primórdios de França, a de uma igreja que lhe estendeu a mão e algum conforto. A prazo. Daí passou para a realidade dos ditos "hotéis" sociais, que se marcam diariamente, via 115, um número de emergência. Insistentemente lotados. Amália desistiu. "Organizo-me sozinha".

Vende desenhos de paisagens para sobreviver. Não dá para viver. Menos ainda para pagar uma renda, mormente na região de Paris, onde os aumentos foram de 70% em 20 anos. A luz ao fundo do túnel seria a habitação social. Que este ano já soma perto de 720 mil pedidos em França, dois terços deles na zona da capital. Uma realidade que obriga a expedientes.

Almoça numa associação de socorro islâmico, lancha/janta na delegação da Cruz Vermelha onde todos tomam banho, recebe o kit para o frio noutra associação, Entreajudas e Solidariedade. Nas viagens entre mãos estendidas, pára na estação do RER. A espera dá para os deveres. E para alimentar o sonho da integração, pela escola, "é muito importante", diz Amália. São bons alunos, Adriano e Leandro "adoram aprender", com o material escolar do socorro islâmico e a compreensão dos professores. São orgulhosos bons alunos. Filhos de uma orgulhosa mãe que, certo dia, os meteu num autocarro no longínquo Portugal a caminho da terra prometida. Um Portugal que os identificou mas que só pode agir se pedirem ajuda. Porque a jurisdição é dos serviços franceses.

Noutra imagem, Leandro junta-se a Adriano no banco de deveres do cais do RER. Parece ajudar o irmão. As matérias são inglês e pré-história. Quando for grande, o mais velho quer ser o que for caso de ser. Desde que tenha um ordenado. O mais novo ainda está na idade dos sonhos. O dele, de agora, é a Engenharia.

Promessas vãs e 566 mortes na rua

Emmanuel Macron, acabado de eleger presidente, prometeu, em julho de 2017, que a primeira batalha seria alojar toda a gente condignamente. "Até ao fim do ano, não quero ter mais homens e mulheres na rua, nos bosques, perdidos". Não há números totais, mas sabe-se que 2019 ainda não terminou e já registou 718 657 pedidos de habitação social, um recorde, segundo a associação Direito ao Alojamento. Em 2018, 566 sem-abrigo morreram na rua.

O efeito Airbnb

A associação Direito ao Alojamento fez um retrato do efeito do alojamento local na escassez de habitação. Só na plataforma Airbnb, Paris tem 59 881 mil anúncios, mais 69% em três anos e um recorde mundial (Nova Iorque tem o quádruplo da população e cerca de 49 mil).

Regras violadas

Só 20% dos alojamentos têm registo (obrigatório), pelo que só esses respeitam a duração máxima de 120 dias/ano de aluguer.

Subida nas rendas

As zonas de Paris onde há mais alojamento local são também aquelas onde as rendas mais subiram (8,8% em três anos).

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG