Covid-19

McDonald's pediu desculpa após proibir africanos em restaurante na China

McDonald's pediu desculpa após proibir africanos em restaurante na China

A McDonald's pediu desculpa por ter proibido negros de entrarem num dos seus restaurantes no sul da China, onde os africanos se queixam de ter sido alvo de discriminação desde o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Após a confirmação de vários casos positivos de infetados pelo novo coronavírus entre a comunidade nigeriana na metrópole de Guangzhou, os africanos dizem ter sido sujeitos a despejos, proibições de entrada em empresas, quarentena e testes abusivos.

A União Africana manifestou, no sábado, a sua "extrema preocupação" com estas situações.

Neste contexto, circulou um vídeo nas redes sociais a mostrar um aviso à porta de um restaurante a explicar, em inglês, que "os negros não podem entrar" num McDonald's daquela cidade.

A cadeia americana de restauração pediu rapidamente desculpa, e um dos seus porta-vozes, citado pela agência France-Presse, disse hoje que o estabelecimento tinha sido temporariamente encerrado no domingo para uma sessão de formação do pessoal.

Ao mesmo tempo, cerca de 20 embaixadores africanos foram recebidos na segunda-feira no Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Pequim, por um secretário de Estado, Chen Xiaodong.

No encontro, Chen prometeu aos diplomatas que iria "levantar as medidas sanitárias relativas aos africanos, exceto em relação aos doentes confirmados" como infetados pela Covid-19, de acordo com um relatório da diplomacia chinesa.

Além disso, apelou aos embaixadores para "explicarem a verdade, objetivamente" e "racionalmente" aos seus países.

Mas a Nigéria já afirmou hoje que a discriminação contra os seus cidadãos, após a descoberta de vários casos positivos de Covid-19 na comunidade nigeriana na China, é "inaceitável" e apelou a uma "ação imediata" por parte de Pequim para pôr fim à situação.

"Houve vídeos a circular nas redes sociais com cenas e incidentes muito perturbadores, envolvendo nigerianos, na cidade de Guangzhou, na China, segundo os quais os nigerianos eram discriminados (...) e estigmatizados como portadores da Covid-19", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, após uma audiência com o embaixador chinês em Abuja.

O ministro explicou que tinha convidado o embaixador chinês para o informar de que "a situação é extremamente angustiante e inaceitável para o Governo e o povo nigerianos" e que, por isso, exigem "uma ação imediata".

Sob forte pressão diplomática, a China rejeitou no domingo todo o "racismo" e prometeu "melhorar" o tratamento dos africanos em Guangzhou.

A União Africana tinha manifestado a sua "extrema preocupação" na véspera e apelado a Pequim para que tomasse "medidas corretivas imediatas". Os Estados Unidos da América (EUA) também tinham denunciado a "xenofobia das autoridades chinesas".

Estes incidentes ocorreram após cinco nigerianos de Cantão, que deram positivo no teste à Covid-19, terem fugido da quarentena. O caso suscitou um protesto e provocou uma avalanche de comentários xenófobos na Internet.

Segundo fontes diplomáticas, cerca de 20 países africanos prepararam uma carta para enviar a Pequim, considerando que os testes de rastreio e as medidas de quarentena impostas especificamente aos seus nacionais equivalem a "racismo".

A "nota verbal" denuncia "uma clara violação dos direitos humanos" por parte da China.

O porta-voz do diplomata chinês, Zhao Lijian, acusou os EUA de procurarem semear a discórdia com África, em reação às acusações de "xenofobia" feitas por Washington.

Segundo a China News Agency, 4.553 africanos, ou toda a população africana de Cantão, foram rastreados para deteção do novo coronavírus desde 04 de abril, dos quais 111 tiveram resultado positivo.

Vários africanos disseram à France-Presse que foram expulsos das suas casas e que lhes foi recusada a entrada em hotéis.

"Tive de dormir debaixo de uma ponte durante quatro dias sem nada para comer. Nem sequer posso comprar comida porque nenhuma loja ou restaurante me aceita", disse um estudante ugandês.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já provocou mais de 120 mil mortos e infetou mais de 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, cerca de 402 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Os EUA são o país que regista o maior número de mortes, contabilizando 23.649 até hoje, e aquele que tem mais infetados, com 582 mil casos confirmados.

O número de mortes provocadas pela Covid-19 em África ultrapassou hoje as 800 com mais de 15 mil casos registados em 52 países, de acordo com a mais recente atualização dos dados da pandemia no continente.

Outras Notícias