11 de Setembro

Milhares de pessoas ainda sofrem consequências da poeira das Torres Gémeas

Milhares de pessoas ainda sofrem consequências da poeira das Torres Gémeas

Duas décadas após o colapso do World Trade Center (WTC), várias pessoas ainda estão a relatar doenças que podem estar relacionadas com a poeira que se espalhou pela cidade após o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001.

Segundo reporta a agência AP, até agora, os EUA gastaram 11 700 milhões de dólares (9,9 milhões de euros) em tratamentos e indemnizações com os que ficaram expostos a potenciais toxinas provenientes da poeira e dos incêndios que lavraram no "ground zero" durante as semanas que se seguiram aos ataques terroristas.

Mais de 40 mil pessoas receberam indemnizações e pagamentos de um fundo do Governo para pessoas com doenças potencialmente relacionadas aos ataques. Por outro lado, mais de 111 mil pessoas inscreveram-se no Programa de Saúde do World Trade Center, que oferece atendimento médico gratuito a quem tenha problemas médicos potencialmente relacionados com a poeira.

Entre os inscritos estão pessoas como a detetive policial aposentada Barbara Burnette, que ainda sofre de graves problemas respiratórios duas décadas depois de cuspir fuligem durante semanas, enquanto trabalhava na pilha de entulho em chamas sem uma máscara protetora. Burnette refere que foi devido à monitorização intensiva do seu estado de saúde, através do programa, que lhe foi detetado um cancro no pulmão. Desde então passou por duas séries de sessões de quimioterapia para manter a doença controlada.

Mas os cientistas ainda não conseguem dizer ao certo quantas pessoas desenvolveram problemas de saúde como resultado da exposição às toneladas de betão pulverizado, vidro, amianto e de gesso libertado quando as duas torres caíram.

Muitas das pessoas inscritas no programa de saúde apresentaram condições comuns ao público em geral, como cancro da pele, refluxo ácido ou apneia do sono.

Na maioria das situações, não há testes que possam confirmar se a doença de alguém está relacionada à poeira do World Trade Center ou a outros fatores, como tabagismo, genética ou obesidade.

PUB

Com o passar dos anos, a situação gerou algum atrito entre os pacientes que têm certeza absoluta de que têm uma doença relacionada com o '11 de setembro' e os médicos que têm dúvidas.

Mariama James, que teve que limpar grandes quantidades do pó de cinza que entrava pelas janelas abertas do seu apartamento em Manhattan, refere que, inicialmente, teve dificuldade em persuadir os médicos de que as infeções crónicas no ouvido, sinusite e asma que afetam seus filhos e ela própria de deve às poeiras. "A maioria das pessoas pensava que eu era louca naquela época", sublinhou.

Os anos de investigações só levaram a respostas parciais sobre os problemas de saúde. O maior número de pessoas inscritas no programa federal de saúde sofre de inflamação crónica na face ou nas cavidades nasais, bem como de refluxo, uma condição que pode causar sintomas como azia, dor de garganta e tosse crónica. O transtorno de stresse pós-traumático surgiu como uma das condições de saúde mais comuns e persistentes.

Quase 19 mil inscritos têm um problema de saúde mental que se acredita estar relacionado aos ataques, segundo as estatísticas do programa de saúde. Mais de quatro mil pacientes têm algum tipo de doença pulmonar obstrutiva crónica, uma família de problemas respiratórios potencialmente debilitantes.

Muitos dos primeiros inscritos no programa que desenvolveram tosse crónica viram a doença desaparecer parcial ou totalmente, mas outros mostraram poucas melhoras.

Cerca de 9% dos bombeiros expostos à poeira ainda relatam tosse persistente, de acordo com pesquisa do Corpo de Bombeiros, 22% relatam sentir falta de ar e em redor de 40% ainda têm problemas crónicos de sinusite ou refluxo ácido.

Do lado encorajador, os médicos dizem que os seus piores receios sobre uma possível onda de cancros mortais associados ao 11 de setembro não se concretizaram. "Pelo menos, ainda não há" conclusões definitivas, refere a AP.</p>

Mas quase 24 mil pessoas expostas à poeira provocada pelo WTC contraíram cancro, embora, na maior parte dos casos, em taxas semelhantes às do público em geral. Por outro lado, as taxas de alguns tipos específicos de cancro foram consideradas modestamente elevadas, mas os investigadores afirmam que isso pode dever-se a mais casos detetados em programas de monitoramento médico.

No ano passado, mais 6800 pessoas aderiram ao programa de saúde, que cresceu tanto que pode ser inviabilizado face à falta de recursos financeiros.

Recentemente, os membros do Congresso apresentaram um projeto de lei que disponibilizaria 2600 milhões de dólares (2200 milhões de euros) adicionais ao longo de 10 anos para cobrir uma lacuna de financiamento prevista a partir de 2025.

A idade média dos inscritos no programa federal de saúde é agora de cerca de 60 anos, com Jacqueline Moline, diretora da clínica de saúde do World Trade Center no sistema médico Northwell Health, a mostrar-se preocupada que os problemas de saúde das pessoas à medida que envelhecem.

O cancro causado pelo amianto, observou, pode levar até 40 anos para se desenvolver após a exposição. "Estamos apenas a chegar ao ponto em que podemos começar a ver coisas", refere Moline, realçando o elevado fluxo contínuo de novos pacientes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG