Destruição

Milhares passam a noite fora de casa na Croácia com receio de réplicas do sismo

Milhares passam a noite fora de casa na Croácia com receio de réplicas do sismo

Cerca de 20 mil pessoas vão passar a noite fora de casa por receio de eventuais réplicas do violento sismo que causou esta terça-feira, pelo menos, sete mortos na Croácia, de acordo com a última informação provisória.

O primeiro-ministro croata, Andrej Plenkovic, confirmou o número de vítimas mortais mas advertiu que "existem provavelmente mais", na sequência do abalo de 6,4 na escala de Richter, que foi sentido em vários países vizinhos e até em Viena, capital da Áustria.

Enquanto prosseguem as buscas por sobreviventes entre os escombros, o responsável de gestão de crises da União Europeia, Janez Lenarcic, adiantou que já na quarta-feira devem chegar ao país tendas de campanha, camas, sacos-cama e contentores de abrigo para ajudar os desalojados.

"Não é seguro estar aqui, isso é claro como o dia", admitiu o primeiro-ministro, Plenkovic, ao explicar que as autoridades iriam instalar contentores para instalar as pessoas cujas habitações se encontram em risco.

A localidade de Petrinja foi uma das mais atingidas pelo sismo que, segundo o instituto de geofísica americano (USGS), teve o seu epicentro a cerca de 50 quilómetros a sudeste da capital Zagreb, na região de Sisak, abalada no dia anterior por tremor de terra de menor intensidade.

Segundo a polícia croata, uma criança foi encontrada morta em Petrinja, além de cinco pessoas da aldeia vizinha de Glina, enquanto pelo menos duas dezenas ficaram feridas, seis das quais com gravidade.

PUB

A eletricidade foi cortada em Petrinja, deixando às escuras o centro da cidade onde vários edifícios da praça principal ficaram completamente destruídos.

A polícia e o exército continuam a limpar os escombros com recurso a retroescavadoras.

De acordo com o USGS, o sismo de magnitude 6,4 foi registado às 12.19 horas (11.19 horas em Lisboa) a uma profundidade de 10 quilómetros.

O epicentro foi a cerca de 50 quilómetros a sudeste da capital da Croácia, Zagreb, a 2,9 quilómetros a sul-sudeste de Petrinja e a 8,7 quilómetros a sudoeste de Sisak.

A mesma zona já tinha sido abalada por um sismo de magnitude 5,2 na segunda-feira, situação que também tinha provocado o pânico entre a população local.

Depois do sismo desta terça-feira, sentiram-se duas réplicas, ambas com mais 4,0 de magnitude, segundo o Instituto Sismológico da Croácia.

Outras fontes, como foi o caso do Centro Sismológico Europeu-Mediterrâneo, atribuíram ao sismo uma magnitude entre 6,2 e 6,3 na escala de Richter.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG