EUA

Mulher teve barata dentro do ouvido durante nove dias

Mulher teve barata dentro do ouvido durante nove dias

Uma barata entrou no canal auditivo de uma mulher, enquanto dormia, em abril, nos EUA, mas só foi retirada inteiramente ao fim de nove dias.

Katie Holley e o marido compraram, no ano passado, uma casa na Florida, EUA, mas descobriram rapidamente que o clima do local era propício ao aparecimento de baratas. Chamaram, então, um exterminador, que lhes tinha resolvido o problema... pensavam eles.

Certo dia, Katie acordou sobressaltada, de madrugada, a sentir que algo húmido e frio lhe tinha entrado no ouvido. Decidiu, então, introduzir uma cotonete e apercebeu-se que algo mexeu; quando a retirou, viu umas pequenas"coisas" castanhas e finas, o que ela percebeu, mais tarde, que eram patas de algum inseto.

O marido de Katie tentou ajudar a perceber o que se passava, olhou para o ouvido de Katie e percebeu que tinha realmente uma barata no ouvido. Pegou numa pinça e tentou retirar o animal, mas apenas conseguiu que saíssem duas patas, por isso, Katie decidiu que o melhor a fazer era dirigir-se ao hospital e pedir ajuda médica.

Pelo caminho, Katie sentia a barata a mexer-se, o que, embora não provocasse dor física, era "psicologicamente torturante", relatou Katie a um blogue, onde descreveu a história na primeira pessoa.

No hospital, injetaram anestesia para conseguir retirar e, consequentemente, matar a barata, mas acabou por provocar ainda mais agitação no inseto, que tentava escapar à morte iminente, e uma sensação ainda mais angustiante a Katie. Dois minutos depois, com a barata já morta, o médico que a atendeu começou a remover algumas partes do inseto com uma pinça.

Mal saiu do hospital, Katie e o marido foram comprar tampões para colocarem nos ouvidos enquanto dormem, para evitarem ser de novo surpreendidos.

No entanto, apesar de mais aliviada, Katie ainda não sentia que o seu ouvido estivesse completamente bem, mesmo sabendo que, após uma situação daquelas, haveria sempre algum desconforto posterior.

Cerca de uma semana depois, a mulher foi a uma consulta de rotina com a médica de família, segundo conta o "The Independent", e pediu-lhe que verificasse o que se passava naquele ouvido, pensando ela que teria demasiada cera e, por isso, é que tinha uma sensação estranha.

No entanto, descobriu que, afinal, ainda restavam partes da barata, nomeadamente, parte do tronco, a cabeça e as antenas. Ao todo, foram mais seis peças que a médica retirou do seu ouvido, mas, desta vez, sem anestesia.

"Acho que o meu ouvido vai ficar bom mais rápido do que o meu estado psicológico", escreveu Katie.

A médica de Katie explicou que é muito comum os insetos entrarem nos ouvidos das pessoas enquanto dormem e que, por isso, não era necessário ir a um especialista.

Num hospital na África do Sul, de acordo com o "The Independent", que cita um artigo da "National Geographic", durante dois anos, foram retirados cerca de 20 insetos de ouvidos humanos.

"As baratas procuram por comida em qualquer sítio e a cera de ouvido pode ser bastante apelativa", disse a entomologista (estuda os insetos) Coby Schal, da Universidade estatal da Carolina do Norte, à "National Geographic".

ver mais vídeos