Mikhail Gorbachev

Mundo recorda líder global imponente e defensor incansável da paz

Mundo recorda líder global imponente e defensor incansável da paz

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse hoje que "o mundo perdeu um líder global imponente, multilateralista comprometido e defensor incansável da paz" com a morte do último presidente da União Soviética Mikhail Gorbachev.

"Fiquei profundamente triste ao saber da morte de Mikhail Gorbachev, um estadista único que mudou o curso da história. Ele fez mais do que qualquer outro indivíduo para trazer o fim pacífico da Guerra Fria", sublinhou o diplomata português, citado em nota de imprensa.

Para o responsável das Nações Unidas, o "mundo perdeu um líder global imponente, multilateralista comprometido e defensor incansável da paz".

PUB

António Guterres, que apresentou em nome da ONU as condolências "à família, ao povo e ao governo da Federação Russa", recordou as palavras de Gorbachev quando este recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1990 e observou que a "paz não é unidade na semelhança, mas unidade na diversidade".

"[Gorbachev] Colocou em prática essa visão vital ao seguir o caminho da negociação, reforma, transparência e desarmamento", salientou.

O líder da ONU referiu também que nos últimos anos o ex-líder da URSS "abraçou um novo desafio" importante para o bem-estar da humanidade, ao fundar a Green Cross International, de "criar um futuro sustentável cultivando relações harmoniosas entre os seres humanos e o meio ambiente".

Boris Johnson destaca "coragem e integridade" do ex-líder soviético

O primeiro-ministro demissionário britânico, Boris Johnson, manifestou hoje admiração pela "coragem e integridade" de Mikhail Gorbachev, por este ter levado a Guerra Fria "a uma conclusão pacífica".

"Numa época de agressão de Putin na Ucrânia, o seu incansável compromisso com a abertura da sociedade soviética continua a ser um exemplo para todos nós", salientou Johnson numa mensagem publicada no Twitter.

"Estou triste por saber da morte de Gorbachev", lê-se ainda.

"Um líder confiável", defende presidente da Comissão Europeia

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, recordou Gorbachev como "um líder confiável e respeitado", tendo desempenhado "um papel crucial para acabar com a Guerra Fria e derrubar a Cortina de Ferro".

Numa mensagem publicada no Twitter, Von der Leyen sublinhou que o ex-líder da União Soviética hoje falecido "abriu o caminho para uma Europa livre".

"Este é um legado que não vamos esquecer. DEP [Descansa em paz] Mikhail Gorbachev", acrescentou.

Macron recorda "compromisso com a paz na Europa" do ex-líder soviético

O presidente francês, Emmanuel Macron, prestou hoje homenagem a Mikhail Gorbachev, que morreu na terça-feira, elogiando o "compromisso com a paz na Europa" por parte do último líder da União Soviética.

"As minhas condolências pela morte de Mikhail Gorbachev, um homem de paz cujas escolhas abriram um caminho para a liberdade para os russos", frisou o chefe de Estado francês.

Emmanuel Macron sublinhou ainda que o "compromisso com a paz na Europa" de Gorbachev mudou "a história comum".

Durão Barroso lembra impacto decisivo do líder soviético em todo o mundo

O ex-primeiro-ministro e antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso recordou Mikhail Gorbachev, que morreu hoje aos 91 anos, como uma das maiores personalidades do século XX que teve um impacto decisivo em todo o mundo.

"Foi sem dúvida umas das maiores personalidades do século XX e a sua ação teve um impacto muito para além da então União Soviética, da Rússia e da Europa. Teve um impacto decisivo em todo o mundo", referiu Durão Barroso, em declarações à Antena 1.

O atual presidente do Fórum Eurafrica recordou Gorbachev como "principalmente uma pessoa decente, com uma boa intenção".

"Apesar de ter feito a sua carreira politica no sistema totalitário comunista, era alguém que tinha um certo humanismo, queria genuinamente a paz e um sistema pluralista", frisou.

Deputados russos recordam político brilhante e controverso

Vários deputados russos expressaram esta terça-feira as suas condolências pela morte de Mikhail Gorbachev, descrevendo o último líder da União Soviética como um político brilhante com uma personalidade controversa.

"Gorbachev foi sem dúvida o político mais brilhante do seu tempo. Mas para todos os nascidos na União Soviética, este continua a ser uma figura histórica, complexa e controversa", destacou Leonid Slutski, líder do Partido Liberal Democrata, numa publicação através da rede social Telegram.

Leonid Slutski lamentou a morte de Gorbachev, mas também ressalvou que lamenta que os processos de desintegração do império soviético tenham começado justamente com a "Perestroika" (reestruturação), promovida pelo último líder da URSS.

Para o deputado comunista Nikolai Kolomeitsev, Gorbachev era um "traidor".

"Foi um traidor e não um secretário-geral. Destruiu o país, foi uma alta traição", atirou este deputado.

Já Oleg Nilov, deputado da Rússia Justa, referiu, por sua vez, que apenas se pode falar bem do ex-líder soviético ou "não se deve falar nada".

Para o chefe de protocolo de Mikhail Gorbachev, Vladimir Shevchenko, a época de liderança do ex-líder da URSS foi um tempo "de esperança".

"Foi o momento da nossa entrada num mundo sem mísseis, onde foram assinados acordos únicos. Mas houve apenas um erro de cálculo: não conhecíamos bem o nosso país", salientou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG