Covid-19

OMS alerta que pandemia está a acelerar, mas pode ser combatida

OMS alerta que pandemia está a acelerar, mas pode ser combatida

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou esta segunda-feira que há mais de 350 mil casos de covid-19 e que a pandemia está a acelerar, mas frisou que pode ser combatida.

"Não podemos ser prisioneiros das estatísticas. Podemos mudar a trajetória da pandemia", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus numa conferência de imprensa online, a partir de Genebra.

Para mudar essa trajetória são precisas táticas agressivas, disse o responsável, usando uma terminologia ligada ao futebol, numa conferência de imprensa em que, com a presença do presidente da FIFA, Gianni Ifantino, foi apresentada uma campanha para "expulsar o coronavírus" responsável pela Covid-19.

Tedros Adhanom Ghebreyesus lembrou que passaram 67 dias desde foi relatado o primeiro caso do novo coronavírus e se atingirem 100.000 infeções, sendo preciso apenas 11 dias para se chegar a mais 100.000 e só quatro dias para outros 100.000. "Podemos ver como o vírus acelerou", alertou, acrescentando que o vírus está agora em quase todo o mundo.

É por isso que, salientou o diretor-geral da organização, como no futebol não se vence um jogo apenas defendendo, são precisas táticas de ataque agressivas e direcionadas, não apenas ficando isolado em casa mas testando casos suspeitos, isolando os infetados, tratando os que precisam e monitorizando as redes de contactos dessas pessoas.

Saudando países que enviaram equipas médicas para ajudar outros países, lamentando os "alarmantes relatos" de profissionais de saúde infetados, Tedros Adhanom Ghebreyesus disse também que vai falar com os líderes do G20 (as maiores economias do mundo) para lhes pedir que aumentem a produção e ajudem na distribuição de meios de proteção para fazer face à pandemia. "O que lhes peço é solidariedade", disse.

Na conferência de imprensa o diretor-geral criticou também que se esteja a tratar doentes de Covid-19 com medicamentos cuja eficácia não foi ainda testada pela comunidade científica e que além de criarem "falsas esperanças" podem fazer mais mal do que bem.

E na véspera do Dia Mundial da Tuberculose Tedros Adhanom Ghebreyesus lembrou também a doença que mata 1,5 milhões de pessoas por ano e disse que se o mundo respondeu rapidamente à emergência da Covid-19 deve unir-se também na luta contra a tuberculose.

E voltou a salientar que a solidariedade é o fator mais importante para enfrentar o vírus.

Outras Notícias