Religião

Papa diz que partilhar e ajudar "não é comunismo, mas sim cristianismo puro"

Papa diz que partilhar e ajudar "não é comunismo, mas sim cristianismo puro"

O papa Francisco pediu, este domingo, aos fiéis para não viverem "uma meia-crença" e para ajudarem os outros, porque ajudar e partilhar "não é comunismo, é cristianismo na sua forma mais pura".

Durante a Missa do Domingo da Misericórdia, o pontífice falou da aparição de Jesus da Nazaré ressuscitado aos seus discípulos, desanimados pela morte do mestre e atemorizados pela perseguição, uma presença que mudou as suas vidas e os fez partilhar tudo.

"Só acolhendo o amor de Deus podemos dar algo de novo ao mundo. Vemos isso na primeira leitura. Os Atos dos Apóstolos dizem-nos que 'ninguém considerava os seus bens como sendo seus, todas as coisas eram mantidas em comum'. Não é comunismo, é cristianismo na sua forma mais pura", sublinhou o papa.

E acrescentou: "É ainda mais surpreendente se pensarmos que esses mesmos discípulos pouco tempo antes tinham discutido sobre recompensas e honras, sobre quem era o maior entre eles".

Francisco explicou que os discípulos abraçaram a misericórdia e entregaram-se a outros que sentiram o mesmo sobre o seu mestre, que perdoou as suas dúvidas.

"Eles viram nos outros a mesma misericórdia que tinha transformado as suas vidas. Descobriram que tinham em comum a missão, o perdão e o Corpo de Jesus; partilhar os bens terrenos era uma consequência natural", disse.

Na sua homília, baseada na exigência de misericórdia para com os cristãos, o papa convidou os fiéis a refletirem sobre se se "curvam perante as feridas dos outros", os problemas dos outros.

PUB

"Não fiquemos indiferentes. Não vivamos uma fé sem convicção, que recebe mas não dá, que acolhe o presente mas não se torna um presente (...). Porque se o amor acaba em nós mesmos, a fé seca num intimismo estéril. Sem outros, torna-se desencarnado. Sem obras de misericórdia, morre", insistiu.

A missa, celebrada na Igreja do Espírito Santo em Sassia, a poucos metros da Praça de São Pedro, contou com a presença de cerca de 80 pessoas ligadas a obras de misericórdia, com distância de segurança e usando máscaras, para evitar contágios pelo novo coronavírus.

Entre os presentes encontravam-se uma família de migrantes da Argentina, jovens refugiados sírios, nigerianos e egípcios, voluntários da Cáritas, um grupo de detidos, algumas enfermeiras, deficientes e freiras das Irmãs Hospitaleiras da Misericórdia, entre outros.

Francisco oficializou assim a homília do Domingo da Misericórdia, uma semana após a Páscoa, instituída por João Paulo II em 1992, na sequência das visões da freira e santa polaca irmã Faustina Kowalska, que assegurou que Jesus Cristo lhe tinha pedido que o fizesse.

No ano passado, a missa esteve sem fiéis neste mesmo templo, porque Itália atravessava o pior momento da pandemia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG