Coronavírus

Quarentenas e confinamentos do Covid-19 devem respeitar os direitos humanos, alerta a ONU

Quarentenas e confinamentos do Covid-19 devem respeitar os direitos humanos, alerta a ONU

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos apelou esta sexta-feira a que as medidas adotadas pelos países para combater a propagação da epidemia de Covid-19 respeitem os direitos humanos e sejam "proporcionais à avaliação dos riscos".

A epidemia de Covid-19 "é um teste à nossa sociedade, e todos temos de aprender e adaptar-nos à medida que reagimos ao vírus", afirmou a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet.

"A dignidade e os direitos humanos devem ser fulcrais nos nossos esforços, não podem ser relegados para segundo plano", acrescentou, em comunicado divulgado esta sexta-feira.

Michelle Bachelet também pediu às autoridades que prestem apoio económico a pessoas que deixaram de poder trabalhar por causa do surto do coronavírus, até porque a epidemia corre o risco de se tornar uma "crise prolongada".

O Alto Comissariado não aponta o dedo a nenhum país em concreto, mas salienta que "os confinamentos, as quarentenas e outras medidas destinadas a conter e combater a propagação do Covid-19 devem sempre ser aplicados com estrito respeito pelos direitos humanos, na medida do necessário e de forma proporcional à avaliação dos riscos".

O surto de Covid-19, detetado em dezembro, na China, e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou 3385 mortos e infetou mais de 98 mil pessoas em 87 países e territórios, incluindo nove em Portugal.

Outras Notícias