Galardão

Quem são os dois Nobel da Paz 2021?

Quem são os dois Nobel da Paz 2021?

O Comité Nobel Norueguês atribuiu esta sexta-feira o prémio Nobel da Paz a dois jornalistas "pelos seus esforços para salvaguardar a liberdade de expressão nas Filipinas e na Rússia", esta que é "uma pré-condição para a democracia e uma paz duradoura". Mas quem são Maria Ressa e Dmitry Muratov?

Com 58 anos, Maria Ressa, filipina que cresceu nos EUA, é jornalista e escritora, para além de fundadora, CEO e editora executiva do Rappler, um site de notícias filipino criado em 2012 e conhecido por cobrir as políticas e ações controversas do governo de Rodrigo Duterte, presidente filipino.

Ressa, ou simplesmente "a jornalista mais conhecida das Filipinas", trabalha há mais de 30 anos, vinte deles passados na CNN, tendo chefiado o escritório do canal televisivo em Manila. Destacou-se ainda pelo seu trabalho como repórter de investigação, sobretudo quando liderou a equipa que deu a conhecer o terrorismo no sudeste asiático.

Galardoada diversas vezes, Ressa recebeu em 2018 o Prémio Caneta de Ouro da Liberdade, o Prémio Knight de Jornalismo Internacional e o Prémio Pioneiro de Meios de Comunicação Livres, atribuído pelo Instituto Internacional de Imprensa.

No último ano, tornou-se um alvo do governo filipino, que alegou ter provas suficientes para indiciar Ressa e o site Rappler por evasão fiscal, entre outros crimes. Em fevereiro deste ano, o Executivo filipino proibiu o site, com Rodrigo Duterte a afirmar que é um canal de "notícias falsas". Todavia, o site continua online. Ressa, que chegou mesmo a ser presa, rejeitou as acusações e criticou a decisão de Duterte que diz ser politizada e com o objetivo de sufocar a cobertura crítica.

Jornalismo contra Putin

PUB

Dmitry Muratov, 59 anos, é um jornalista russo, fundador e editor-chefe do Novaya Gazeta, "o único jornal crítico com influência nacional na Rússia", escreve o Comité de Proteção de Jornalistas. Fundado em 1993, o Novaya Gazeta é conhecido por conduzir investigações sobre a corrupção, violações dos direitos humanos e abuso de poder. Temas que na Rússia de Vladimir Putin são muito delicados. À custa do trabalho de investigação, três repórteres do jornal foram mortos.

O agora Nobel da Paz, laureado "pelos seus esforços para salvaguardar a liberdade de expressão, que é uma pré-condição para a democracia e uma paz duradoura", recebeu, em 1993, o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev, que doou parte do prémio Nobel da Paz de 1990 para ajudar o Novaya Gazeta com as despesas iniciais.

Em 2007, Muratov ganhou um Prémio Internacional de Liberdade de Imprensa. Três anos depois, a 18 de janeiro de 2010, recebeu a ordem da Legião de Honra, condecoração entregue por França. Em maio desse ano, o Novaya Gazeta recebeu o Prémio Quatro Liberdades pela Liberdade de Expressão em Middelburg, Holanda.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG