Brasil

Rio de Janeiro fecha "atividades não essenciais" por dez dias

Rio de Janeiro fecha "atividades não essenciais" por dez dias

As autoridades das cidades brasileiras do Rio de Janeiro e da vizinha Niterói anunciaram esta segunda-feira novas medidas para conter o avanço da covid-19, que implicam o encerramento de "atividades não essenciais" durante dez dias.

A restrição, que se soma ao encerramento das praias já aplicado durante o fim de semana, vigorará entre 26 de março e 04 de abril, conforme anunciado em conferência de imprensa pelos prefeitos das cidades de Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e de Niterói, Alex Grael.

Ainda durante todo esse período, que inclui os dias da Semana Santa, será declarado feriado nas duas cidades, antecipando algumas festividades que se celebrariam ao longo deste ano.

Paes justificou as medidas com o facto de que, nos últimos dez dias, o número de pacientes à espera de cama nos cuidados intensivo passou de 64 para 493, refletindo o colapso da rede hospitalar na cidade, que tem semelhanças em Niterói.

"Ninguém toma essas decisões feliz, alegre ou por prazer. Nós as tomamos por necessidade absoluta e ouvindo muito a ciência, entendendo os aspetos económicos, mas ouvindo a ciência", disse o prefeito do Rio de Janeiro.

São medidas "duras, mas necessárias", porque "os números são incontestáveis" e "chega um momento em que devemos cuidar da vida", insistiu ao justificar as decisões criticadas abertamente pelo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

"Se vamos parar esses dez dias, não é para fazer festa, não é para celebrar nada", disse Paes, que enviou uma mensagem "aos jovens", aos quais pediu "especial cuidado" porque estão agora entre os mais afetados pela nova vaga da pandemia no Rio de Janeiro.

PUB

As medidas anunciadas esta segunda-feira pelo Rio de Janeiro e Niterói são semelhantes às já adotadas pela prefeitura de São Paulo, que da mesma forma permitirá apenas as chamadas "atividades essenciais" durante o período entre 26 de março e 04 de abril.

No entanto, o Governo de Bolsonaro entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal, sobre a qual ainda não há decisão, mas que exige a limitação do poder de prefeitos e governadores de decretar o encerramento temporário de atividades económicas.

O Brasil, que atravessa agora o seu momento mais crítico da pandemia, é o segundo país do mundo mais afetado pela covid-19, com quase 12 milhões de casos e 294 042 mortes, apenas atrás dos Estados Unidos.

O Rio de Janeiro, segunda cidade mais atingida depois de São Paulo, acumula cerca de 625 mil infeções e pouco mais de 35 mil mortes, e, como todo o país, mostra uma curva crescente e descontrolada da pandemia há semanas, segundo especialistas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG