OMS

Risco da variante ómicron mantém-se "muito elevado"

Risco da variante ómicron mantém-se "muito elevado"

O risco apresentado no mundo pela variante ómicron do coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19 mantém-se "muito elevado", anunciou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na terça-feira à noite.

"O risco global ligado à nova variante preocupante ómicron continua muito elevado", alerta a OMS no boletim epidemiológico semanal.

Aquele organismo salienta que "provas fiáveis demonstram que a variante ómicron tem uma vantagem de crescimento em relação à variante Delta, com um ritmo de duplicação de dois a três dias". A OMS refere ainda que "observa-se um crescimento rápido da incidência de casos em vários países".

A covid-19 provocou mais de 5,40 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse. Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18 909 pessoas e foram contabilizados 1 303 291 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A variante ómicron, considerada preocupante pela OMS, foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal. Em Portugal, a ómicron atingiu uma proporção estimada de 75% na segunda-feira, segundo um relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), divulgado na terça-feira.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG