Brasil

Tribunal exige que Netflix apague especial de Natal da Porta dos Fundos

Tribunal exige que Netflix apague especial de Natal da Porta dos Fundos

Um juiz do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou, esta quarta-feira, que o Porta dos Fundos e a Netflix deixem de exibir o especial de Natal "A Primeira Tentação de Cristo".

A decisão provisória responde a um pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura e foi tomada pelo magistrado Benedicto Abicair.

Depois de apresentar argumentos e a linha jurídica que adotou, o juiz que deferiu o pedido contra o grupo humorístico brasileiro Porta dos Fundos considerou "mais adequado e benéfico, não só para a comunidade cristã, mas para a sociedade brasileira, majoritariamente cristã", que o conteúdo seja retirado "até que se julgue o mérito", recorrendo-se, assim, "à cautela, para acalmar ânimos".

Em 3 de dezembro, a produtora do grupo humorístico Porta dos Fundos lançou o especial de Natal "A Primeira Tentação de Cristo" no qual Jesus é representado como um jovem que terá tido uma experiência homossexual e também insinua que o casal bíblico Maria e José viveram um triângulo amoroso com Deus.

A sátira, de 46 minutos, protagonizado pelos humoristas brasileiros Gregorio Duvivier e Fábio Porchat, não agradou a grupos religiosos, que criticaram a temática.

Foi também lançada uma petição contra o filme, com mais de dois milhões de assinaturas de pessoas que consideram que a obra "ofende gravemente os cristãos".

Na madrugada de 24 de dezembro, na véspera de Natal, a sede da Porta dos Fundos, no Rio de Janeiro, foi alvo de um atentado que não provocou vítimas.

Numa nota, a produtora condenou "todos os atos de violência" e afirmou esperar que "os responsáveis por este ataque sejam encontrados e punidos".

O incidente foi filmado pelas câmaras de vigilância, tendo as imagens sido entregues às autoridades.

Eduardo Fauzi Richard Cerquise, um dos suspeitos de participar do ataque à produtora do Porta dos Fundos, já foi identificado pelas autoridades brasileiras embora se encontre na Rússia.

O suspeito fazia parte da Frente Integralista Brasileira (FIB), um dos principais grupos nacionalistas e de extrema-direita do Brasil, e que se define como defensora dos valores cristãos, da propriedade privada e da família.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG