Governo

Cidade de Ovar fechada para conter Covid-19

Cidade de Ovar fechada para conter Covid-19

O ministro da Administração Interna confirmou esta terça-feira o estado de calamidade pública em Ovar, sendo "vedado o acesso" a todas as pessoas àquele município, com 30 casos de Covid-19.

Há 30 casos positivos de Covid-19 naquele concelho, que fica em quarentena obrigatória. Eduardo Cabrita explicou que, "salvo um conjunto de situações excecionais", fica "vedada a saída dos residentes do concelho de Ovar para fora do município e vice-versa".

O estado de calamidade em Ovar foi decretado e "significa essencialmente a criação de uma situação aplicável a todo o município e um conjunto de restrições". "É vedado o acesso de todos nós ao município de Ovar", disse o ministro da Administração Interna.

"Ficam igualmente interditas todas as atividades comerciais ou industriais no município, exceto aquelas que são relativas ao setor alimentar. Fechamos todos os restaurantes, oficinas, mantêm-se abertas padarias, supermercados, farmácias, bancos, postos de abastecimento de combustíveis", acrescentou.

A medida vai ser aplicada de imediato, bem como "as medidas que permitam a zona de inibição de acesso" e para que "localmente se estabeleçam os mecanismos de acompanhamento do cumprimento destas medidas".

Como exemplo, referiu que a linha de comboios do Norte vai continuar a operar, mas nas estações situadas no município de Ovar, não haverá entrada nem saída de passageiros.

Dentro do concelho, em que caberá à GNR e à PSP fazer cumprir as restrições à circulação, as pessoas podem deslocar-se para comprar bens essenciais, como comida e medicamentos, e para ir trabalhar em locais igualmente essenciais, como hospitais, centros de saúde, bombas de gasolina, bancos, supermercados, padarias e serviços de abastecimento de água e luz.

Eduardo Cabrita manifestou solidariedade "num momento difícil" e apelou para a compreensão dos habitantes do concelho de Ovar.

As restrições à atividade económica e à circulação de pessoas têm efeito imediato e vigoram até 2 de abril, podendo eventualmente ser prorrogadas se a autoridade de saúde regional do Centro entender ser necessário.

Questionado pela Lusa sobre se a declaração de situação de calamidade poderá ser estendida a outros concelhos face à evolução epidemiológica da Covid-19 em Portugal, o ministro referiu que se trata de "um instrumento" entre vários de que o Governo dispõe e que "não deixarão de ser utilizados quando forem necessários".

Ovar tem 30 casos de Covid-19

Já a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que Ovar tem "elevado número de casos confirmados numa área relativamente restrita" e falou num "risco de transmissão generalizada de Covid-19" e na "possibilidade de poderem ocorrer novas cadeias de transmissão".

A ministra lembra que entre os 51 casos confirmados Administração Regional de Saúde do Centro, "30 são relacionados com o concelho de Ovar", com "440 contactos já identificados".

"Estamos perante um elevado número de casos confirmados numa área relativamente restrita e muitos contactos em monitorização", esclareceu Marta Temido.

Com Lusa

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG