Bolsas

Alunos dos PALOP vão poder fazer ciência em Portugal

Alunos dos PALOP vão poder fazer ciência em Portugal

Duas bolsas foram atribuídas a estudantes de Cabo Verde e Moçambique e um prémio científico foi atribuído a um investigador moçambicano no âmbito da 3ª edição dos António Coutinho Science Awards promovidos pelo Instituto Gulbenkian Ciência (IGC). Os selecionados poderão desenvolver os seus projetos em universidades portuguesas.

Érica Simão, moçambicana, foi uma das selecionadas com a bolsa pela apresentação do projeto "Eficácia do uso de Tenofovir+Lamivudina+Dolutegravir na supressão viral de pacientes em TARV [tratamento farmacológico para o vírus HIV/sida] há 12 meses" com a Dr.ª Ana Abecassis do IHMT. A relevância do seu projeto consiste na utilidade de "gerar dados que informem tomadas de decisão do ponto de vista médico no Hospital Militar de Maputo", informou o IGC em comunicado. A candidata selecionada é licenciada em Medicina Geral pela Universidade Católica de Moçambique e frequenta o mestrado em Saúde Pública e Desenvolvimento no IHMT.

A outra bolsa foi atribuída a Tamar Monteiro, cabo verdiana que propôs o projeto "Avaliação da segurança microbiológica de águas residuais utilizadas em rega agrícola" no Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica, Projecto AgriWWAter, Food Safety and Microbiology Lab, Food & Health Division. O seu projeto foi distinguido por "ter impacto ecológico e na saúde pública, podendo gerar dados que informem tomadas de decisão a nível de gestão de resíduos". A jovem é licenciada em Ciências Biológicas e frequenta o mestrado em Saúde Pública da Universidade de Cabo Verde.

O vencedor do prémio científico foi Sosdito Mananze, moçambicano que apresentou o projeto "Sistema de suporte a decisão baseado em Deteção Remota para a eficiência do uso de recursos na agricultura em Moçambique" no Centro de Robótica Industrial e Sistemas Inteligentes do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESCTEC) da Universidade do Porto. O investigador é doutorado em Engenharia Geográfica pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e docente na Escola Superior de Desenvolvimento Rural - Universidade Eduardo Mondlane, diretor adjunto para a Investigação e Extensão da Universidade Eduardo Mondlane, Escola Superior de Desenvolvimento Rural. O seu projeto "dará continuidade ao trabalho desenvolvido durante o doutoramento e pretende ser uma prova de conceito para depois aconselhar a implementação do sistema de deteção remota em Moçambique".

Os projetos de investigação que ganharam bolsa irão ser desenvolvidos no Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa e no Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica. A investigação de Sostido Mananze será desenvolvida no Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESCTEC) da Universidade do Porto.

As candidaturas foram analisadas por um júri composto por cientistas tanto dos PALOP como de Portugal, doutorados em diferentes áreas científicas e com experiência na seleção e acompanhamento de estudantes e cientistas.

O programa António Coutinho Science Awards é promovido pelo Centro Colaborativo do IGC de democratização da ciência, tendo como parceiros a Câmara Municipal de Oeiras e a Merck Family Foundation. O foco centra-se na cooperação, capacitação e no desenvolvimento de investigação científica, tem relevado elevado impacto na carreira dos participantes e tem sido determinante para os impulsionar na persecução de uma carreira na área das ciências.

Segundo Mónica Bettencourt Dias, Diretora do IGC, "são uma oportunidade para dinamizar e fortalecer o percurso de investigação de cientistas e estimular o aparecimento de novas soluções para os problemas de toda a humanidade."

Atribuídos pela primeira vez em 2019, já premiaram 5 investigadores em edições anteriores. A 4ª Edição será lançada durante o primeiro trimestre de 2022.

O resultado foi anunciado esta quinta-feira. Houve 27 candidaturas submetidas de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Princípe e Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG