O Jogo ao Vivo

Presidenciais

Ana Gomes critica voto do BE no OE2021, Marisa Matias rejeita contradição

Ana Gomes critica voto do BE no OE2021, Marisa Matias rejeita contradição

As candidatas presidenciais Ana Gomes e Marisa Matias concordaram hoje ser preciso ouvir as explicações da ministra da Justiça no Parlamento sobre a polémica do procurador europeu, num debate com críticas da socialista às "contradições" da bloquista sobre OE2021.

No frente a frente televisivo na corrida às eleições presidenciais, que opôs esta noite uma antiga e uma atual eurodeputada, o tiro de partida foi dado com a polémica em relação à nomeação do procurador europeu José Guerra, um tema em relação ao qual as candidatas têm posições semelhantes, na noite em que o primeiro-ministro, António Costa, manifestou "total confiança política" na ministra da Justiça, Francisca Van Dunem,

Na perspetiva de Ana Gomes, "é o primeiro-ministro que sabe" e que "avalia como é que isto sobra ou não para o Governo, como afeta a imagem do país", mostrando-se contra "a banalização de pedidos de demissão de ministros".

Para a socialista este é um "caso grave", considerando que "antes de mais é preciso ouvir a ministra no Parlamento".

Explicações foi o que pediu também a bloquista Marisa Matias, que criticou uma "situação vergonhosa", em relação à qual considera que é preciso esperar pela audição da ministra da Justiça no Parlamento.

Passado o tema que tem marcado os últimos dias e entrando no debate presidencial propriamente dito, o voto contra do BE no Orçamento do Estado para 2021 foi usado por Ana Gomes para atacar Marisa Matias, dirigente do BE.

PUB

"Não entendo que o Bloco tenha votado contra o Orçamento do Estado e também não entendo porque é que se fosse presidente, Marisa Matias não vetaria este Orçamento do Estado. Há uma contradição entre a Marisa dirigente do Bloco e a Marisa candidata à Presidência da República", atirou a socialista, uma acusação imediatamente negada pela bloquista.

A "objeção de fundo" de Ana Gomes, explicou, "é que o país não precisava de uma crise política a somar à crise da pandemia", questionando "onde é que ficavam os mais vulneráveis deste país" se Portugal tivesse "ficado à mercê de duodécimos".

Na resposta, Marisa Matias considerou incompreensível "não haver uma resposta à altura da crise" que Portugal está a viver, reiterando que as exigências do BE não eram incomportáveis, mas justas.

"Em relação ao Orçamento não há nenhuma contradição entre dizer que estas dimensões, a urgência que enfrentamos e as dificuldades, dizer que isto não é suficiente e ao mesmo tempo olhar e perceber que não sendo um Orçamento inconstitucional eu não o vetaria", retorquiu, considerando "perigoso acenar-se com uma crise putativa que tem muitas formas de não vir a ser crise".

Para a eurodeputada bloquista não é preciso "um presidente que mantenha os bloqueios que já vêm do Governo em relação à resposta à crise" e deixou uma promessa: "as pessoas que votarem em mim sabem que estão a votar numa proposta precisamente que pretende contrariar esses bloqueios de Marcelo e António Costa em relação à saúde, à banca e ao trabalho".

Para diferenciar as candidaturas, Ana Gomes apontou ainda contradições da bloquista em relação ao euro e também "grandes divergências" em relação à segurança e defesa, questões que "são demasiado importantes para poderem ser deixadas à direita".

Na réplica, Marisa Matias recusou-se a "inventar divergências artificiais com a Ana Gomes" nas questões europeias, assumindo-se "muito crítica em relação à arquitetura do euro" e afirmando que "o maior problema de defesa é a segurança e proteção de pessoas, dos refugiados".

Sobre a disputa do mesmo campo político, Marisa Matias considerou que a sua candidatura é "a que melhor representa lutas dos jovens" em áreas como o ambiente, direitos dos animais, feministas, antirracistas e de respeito", com Ana Gomes a referir que "a candidatura da Marisa se insere numa lógica do partido que ela representa", enquanto a sua "é independente", apesar de admitir ter havido conversas sobre a possibilidade de uma candidatura comum numa "primeiríssima fase".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG