Covid-19

EMA aprova vacina da Pfizer para maiores de cinco anos

EMA aprova vacina da Pfizer para maiores de cinco anos

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) acaba de autorizar, nesta manhã de quinta-feira, a vacina da Pfizer/BioNTech (Comirnaty) para crianças entre os 5 e 11 anos de idade. A diferença face aos maiores de 12 anos está na dosagem, sendo três vezes inferior. Para os 5-11 aprova 10 microgramas contra 30 microgramas nos adolescentes.

Em comunicado, a EMA explica que o comité de peritos concluiu que os benefícios de imunizar estas crianças superam os riscos, em particular nas crianças que apresentem comorbilidades associadas a risco acrescido para a covid. "O estudo em crianças de 5 a 11 anos mostrou que a resposta imunológica ao Comirnaty administrado numa dose mais baixa (10 microgramas - µg) neste grupo de idade foi comparável à observada com a dose mais alta (30 µg) no grupo dos 16 a 25 anos", adianta a agência.

No referido ensaio clínico, que envolveu cerca de duas mil crianças, das 1305 que receberam a vacina "três desenvolveram COVID-19 em comparação com 16 das 663 crianças que receberam placebo". O que significa dizer, explicam, "que, neste estudo, a vacina foi 90,7% eficaz na prevenção de COVID-19 sintomático (embora a verdadeira taxa pudesse estar entre 67,7% e 98,3%)".

Quanto a efeitos secundários, precisam serem muito semelhantes aos verificados nos maiores de 12 anos: dor no local da injeção, cansaço, dor de cabeça, vermelhidão e inchaço no local da injeção, dores musculares e calafrios. "Esses efeitos são geralmente leves ou moderados e melhoram alguns dias após a vacinação", sublinham.

Autorizada então a extensão da utilização desta vacina nos maiores de 5 anos, cabe agora à Comissão Europeia dar seguimento ao processo. Sendo que, nesta semana, o seu porta-voz para a Saúde, Stefan de Keersmaecker, havia já garantido celeridade no processo: "Da nossa parte, a Comissão trabalhará muito depressa. Assim que recebamos a luz verde da Agência Europeia do Medicamento, a Comissão tem procedimentos ultrarrápidos para a autorização da vacina", dizia, apelando aos Estados para se prepararem logisticamente.

Sendo que, explique-se, cada Estado-membro decide por si. Em Portugal, e a pedido da Direção-Geral da Saúde (DGS), a comunidade científica pediátrica está a trabalhar num parecer sobre a imunização na faixa 5-11 anos. A Sociedade Portuguesa de Pediatria, e a sua Comissão de Vacinas, anteciparam-se à EMA e, na terça-feira passada, emitiram um parecer favorável à administração da vacina contra a covid nestas crianças. "Provada a segurança e eficácia da vacina, poderá ser considerada a sua aplicação neste grupo etário, se isso permitir trazer normalidade à vida das crianças", adiantavam em comunicado. A decisão final, sublinhe-se, caberá sempre aos pais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG