Estudo

As zonas de Portugal ameaçadas pela subida dos oceanos até 2050

As zonas de Portugal ameaçadas pela subida dos oceanos até 2050

Um estudo científico divulgado na terça-feira estima que as vidas de 300 milhões de habitantes de zonas costeiras no Mundo todo podem estar ameaçadas pela subida do nível do mar até 2050. Um mapa da ONG Climate Central mostra as regiões portuguesas que se estima serem afetadas.

A investigação, publicada na revista científica "Nature Communications", aponta a Ásia como a região mais vulnerável, somando mais de um terço do total de vítimas estimadas, divididas pela China, Bangladesh, Índia, Vietname, Indonésia e Tailândia.

Apesar de as previsões sobre a subida do nível dos oceanos não terem mudado, foram agora identificadas "muito mais pessoas a viverem em regiões vulneráveis". Isto porque os cientistas corrigiram e aprimoraram dados existentes sobre o relevo das zonas costeiras usando um algoritmo de inteligência artificial, explicou um dos autores do estudo e presidente da ONG Climate Central, Ben Strauss, citado pela agência noticiosa AFP. O artigo científico e o relatório sobre o mesmo detalham os métodos e resultados da investigação a nível global e para cada uma de 135 nações.

A Climate Central, que analisa e relata sobre temas relacionados com o clima, publicou um mapa em que mostra os territórios em risco de ficarem inundados em 2050. Em Portugal - veja o mapa aqui - algumas das zonas em risco assinaladas são Viana do Castelo, Esposende, Fão, Apúlia, Vila do Conde, Matosinhos, Espinho, Esmoriz, Ovar, Torreira, Aveiro, São Martinho do Porto, Caldas da Rainha, Alcobaça, Figueira da Foz, Montemor-o-Velho, cidades contíguas ao Estuário do Tejo como Lisboa, Vila Franca de Xira, Carregado, Montijo, Moita, Azambuja, Benavente, Alcochete, e zonas da costa algarvia.

Desde 2006 que o nível das águas sobe em média cerca de quatro milímetros por ano, uma cifra que pode ser multiplicada por 100 se as emissões de gases com efeito de estufa continuarem inalteradas, de acordo com um relatório divulgado em setembro pelo Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, que integra membros da ONU.

Se o aumento da temperatura global for limitado a 2ºC acima dos valores médios da era pré-industrial, conforme prevê o Acordo de Paris sobre alterações climáticas, de 2015, o nível dos oceanos subirá cerca de 50 centímetros até 2100. Contudo, se as emissões poluentes continuarem ao ritmo atual, a subida das águas poderá ser quase duas vezes mais significativa.