Prémio

Associação Reencontro premiada por projeto contra exclusão social infantil

Associação Reencontro premiada por projeto contra exclusão social infantil

A Reencontro - Associação Social, Educativa e Cultural, com sede no concelho de Gouveia, recebeu o Prémio Manuel António da Mota, no valor de 50 mil euros, pelo seu projeto especialmente dedicado à exclusão social infantil.

Criada em 2010, a Reencontro está sediada em Vila Nova de Tazem. Procura desenvolver atividades nas áreas social, educativa e cultural, atuando junto de pessoas e de famílias em situação de vulnerabilidade ou de exclusão social.

O prémio foi entregue este domingo no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, numa cerimónia que contou com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

PUB

Destacam-se ainda da lista de presenças o ex-presidente da República Ramalho Eanes, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, os presidentes do Conselho de Administração da Fundação Manuel António da Mota, Maria Manuela Mota, e do Conselho de Administração da Mota-Engil SGPS, António Mota.

Dos três aos 10 anos

"As crianças que crescem num ambiente de pobreza e exclusão social têm menos probabilidades de alcançar o sucesso na escola e de se inserirem na sociedade, em consequência da inadequação de recursos, correndo o risco de permanecerem na situação de desvantagem social ao longo da vida", sublinha a Fundação Manuel António da Mota.

Além disso, acrescenta que "a adoção de estratégias integradas que combinem a ajuda prestada aos pais para integrarem o mercado de trabalho, com apoios adequados ao rendimento e ao acesso a serviços essenciais nos domínios da educação e nos cuidados de saúde, mais do que um investimento social, são determinantes para o desenvolvimento económico das sociedades".

Na sua 13.ª edição, sob o lema "Portugal Justo", o prémio foi atribuído ao projeto "Ser Criança", com público-alvo dos três aos 10 anos de idade. Trata-se de um programa comunitário que inclui as fases de diagnóstico, intervenção e desenvolvimento de competências.

Nove instituições distinguidas

A par da Reencontro, vencedora do prémio, foram ainda distinguidas nove instituições nacionais, cabendo o 2.º e 3.º lugares, respetivamente, ao Centro Humanitário de Tavira da Cruz Vermelha Portuguesa e à Associação Pão a Pão. As restantes sete menções honrosas foram para a Aldeias Humanitar - Associação de Solidariedade Social, Associação Academia do Johnson Semedo, Câmara Municipal de Ílhavo, Centro de Solidariedade de Braga/Projeto Homem, Orquestra sem Fronteiras, VivaLabPorto e ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável.

Rui Pedroto, presidente da Comissão Executiva da Fundação Manuel António da Mota, recordou que o prémio teve início em 2010.

A seu ver, Portugal vê-se "confrontado com velhos e novos desafios que apelam à concertação de esforços de todos os quadrantes para que possamos defender o nosso estado social em domínios essenciais como a educação, a saúde e o emprego". Em causa está promover o crescimento económico inteligente, sustentável e inclusivo, reforçar a coesão social e territorial, apostar na valorização do interior e na redução das assimetrias regionais, enumera Rui Pedroto. E aponta igualmente a necessidade de combater a pobreza, a exclusão e as desigualdades, e de "afrontar os grandes desafios colocados pelas alterações climáticas e por toda uma vasta gama de problemas e questões ambientais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG