Porto

Auxiliar do IPO que morreu não sofreu "efeito indesejável" após vacina

Auxiliar do IPO que morreu não sofreu "efeito indesejável" após vacina

Uma assistente operacional do IPO Porto, que foi vacinada contra a covid-19 a 30 de dezembro, morreu a 1 de janeiro, de forma súbita. Instituição esclarece que não foi notada qualquer reação adversa à vacina.

Em informação enviada ao JN, o Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto confirmou a morte de uma auxiliar "de forma súbita", no dia 1 de janeiro.

A instituição explicou que a auxiliar foi vacinada contra a covid-19 a 30 de dezembro, "não tendo sido notificado qualquer efeito indesejável nem no momento da vacinação nem nos dias subsequentes".

O IPO sublinha que as causas da morte da funcionária estão ainda por apurar e que serão determinadas na autópsia.

"No respeitante ao falecimento de uma assistente operacional do IPO do Porto de forma súbita, no dia 1 de janeiro de 2021, o Conselho de Administração confirma o sucedido e endereça aos familiares e amigos os mais sentidos votos de pesar, na certeza de que esta perda é igualmente sentida no IPO do Porto", refere o IPO em comunicado, acrescentando que "o esclarecimento da causa de morte seguirá os procedimentos habituais nestas circunstâncias."

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG