Covid-19

Bula da vacina AstraZeneca já inclui aviso sobre sintomas de risco

Bula da vacina AstraZeneca já inclui aviso sobre sintomas de risco

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) já alterou a bula relativa à vacina da AstraZeneca contra a covid-19. Os vacinados devem procurar atendimento médico se após a vacinação sentirem falta de ar, inchaço nas pernas, visão turva, dor abdominal ou dores de cabeça persistentes. A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) já enviou para os profissionais de saúde a nova informação.

"Os vacinados devem ser instruídos a procurar atendimento médico imediato se desenvolverem sintomas como falta de ar, dor no peito, inchaço nas pernas, dor abdominal persistente após a vacinação.

Além disso, qualquer pessoa com sintomas neurológicos, incluindo graves, dores de cabeça persistentes ou visão turva após a vacinação, ou quem apresenta hematomas na pele (petéquias) além do local da vacinação após alguns dias, deve procurar atendimento médico imediato", lê-se agora no item dedicado aos "avisos e precauções especiais".

O Comité de Avaliação do Risco de Farmacovigilância (PRAC) da EMA, que integra peritos de todos os estados-membros, concluiu esta sexta-feira o relatório relativo "à avaliação às reações adversas identificadas com a utilização da vacina da AstraZeneca", explicou através de comunicado o Infarmed. O parecer final concluiu que a vacina é eficaz "na prevenção da hospitalização e morte por covid-19", superando os seus benefícios a possibilidade "muito baixa de desenvolvimento de eventos de tromboembolia como de trombocitopenia" (níveis baixos de plaquetas sanguíneas).

Na bula da vacina, a EMA acrescentou nos "avisos e precauções especiais", a possibilidade de ocorrer casos de trombocitopenia e distúrbios de coagulação que ocorreram "muito raramente" após a toma da vacina, como quatro casos graves de trombose venosa, trombose arterial.

PUB

A maioria desses casos, lê-se na informação hoje divulgada, ocorreram nos primeiros sete a 14 dias após a vacinação em mulheres com menos de 55 anos, apesar de a prevalência nesse grupo poder refletir o "o aumento do uso da vacinação nessa população", apontam.

"Alguns casos tiveram um resultado fatal", lê-se na bula. A EMA recomenda, por isso, aos profissionais de saúde "que devem estar atentos aos sinais e sintomas de tromboembolismo e/ ou trombocitopenia".

No comunicado enviado à Imprensa, o Infarmed assegura que já propôs a atualização da informação destinada aos cidadãos e profissionais de saúde para fazerem a adequada monitorização e publicou nova circular.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG