O Jogo ao Vivo

Investigação

Descoberta de portugueses sobre coloração das aves faz capa da "Science"

Descoberta de portugueses sobre coloração das aves faz capa da "Science"

Equipa liderada pelo Cibio-InBio, da Universidade do Porto, descobriu pela primeira vez um gene responsável pela diferença de cores entre aves machos e fêmeas. Estudo fará a capa desta sexta-feira da revista "Science".

A investigação comparou o genoma do canário mosaico, sexualmente dicromático, com o de diferentes variedades de canários sem dicromatismo sexual, e encontrou uma região divergente no ADN do primeiro. Nessa região está um gene, que codifica uma enzima (Beta-Caroteno Oxigenase 2, BCO2) que degrada os pigmentos, dando origem a cores vivas nos machos e a penas de cores esbatidas nas fêmeas, segundo o estudo. "Esse gene está mais expresso nas fêmeas e a enzima BCO2 está mais ativa, daí que não haja tanta deposição de pigmentos nas fêmeas", explica Ricardo Jorge Lopes, investigador do Cibio-InBio e autor da fotografia da capa da "Science". "É espantoso perceber que só um gene é capaz disso. É um processo bastante simples", remata.

A descoberta vem colocar por terra a hipótese da diferença de cores no sexo ser motivada por milénios de competição entre machos pela atenção das fêmeas e permitirá aos cientistas continuar a investigar o papel dos carotenóides (pigmentos) na evolução das aves. "Pensamos que o uso da cor potenciou a rápida diversificação dos passeriformes, que são quase 50% das espécies de aves que existem no mundo", acrescenta o investigador. As cores vivas dos machos revelam que "são saudáveis".

Para verificar se a descoberta desta equipa interdisciplinar e internacional (das universidades do Porto e de Coimbra e das universidades norte-americanas Washington em St. Louis e Auburn) seria limitada aos canários, os investigadores olharam para os padrões de expressão deste gene em outras duas espécies. No chamariz, da mesma família que o canário, verificou-se que o mesmo gene tem o mesmo papel no dicromatismo sexual. Já no "carpodacus mexicanus" acredita-se que a diferença de cor seja originada pela atuação de outro gene, segundo Ricardo Jorge Lopes. "Os cientistas procuram padrões gerais na natureza e neste caso, este parece ser um mecanismo comum para o dicromatismo sexual em aves", diz Miguel Carneiro.

Nos canários mosaico, os genes para a diferença sexual de coloração foram herdados dos seus ancestrais sul-americanos e mantidos. "Estes canários vermelhos foram obtidos há várias décadas, quando criadores cruzaram canários com uma espécie similar, mas vermelha, da América do Sul, o cardinalito da Venezuela. Os seus descendentes passaram a ter no seu genoma um gene obtido a partir dos seus pais da América do Sul, que permitiam-lhes produzir penas vermelhas, uma descoberta que foi feita pela mesma equipa, liderada por Miguel Carneiro, em 2016", explica a UP em comunicado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG