O Jogo ao Vivo

Saúde

Dezenas de modelos de ventiladores dificultam tarefa dos profissionais

Dezenas de modelos de ventiladores dificultam tarefa dos profissionais

Health Cluster Portugal desenvolveu plataforma digital para apoiar médicos e enfermeiros a usar equipamentos. Projeto-piloto começa dia 10 em Braga e no Porto.

Há hospitais que chegam a ter 16 modelos diferentes de ventiladores nas unidades de cuidados intensivos, o que frequentemente levanta dúvidas aos profissionais de saúde que os operam. Para dar resposta a estas dificuldades e à eventual necessidade de rapidamente formar médicos e enfermeiros que possam dar apoio nestas unidades mais diferenciadas, o Health Cluster Portugal (HCP) desenvolveu uma plataforma digital que começa a ser testada, no próximo dia 10, nos hospitais de Braga e de S. João. O objetivo é depois alargar a todo o país.

Além dos equipamentos novos e outros mais antigos que os hospitais já têm, há novos ventiladores a serem produzidos no país e outros que ainda estão para chegar. O caso recente das máquinas que vieram da China com botões e indicadores em mandarim mostra como pode tornar-se complexa a tarefa de médicos e enfermeiros na linha da frente.

Saber manusear diversos modelos de ventiladores foi, aliás, uma preocupação manifestada por profissionais de saúde ao HCP e que esteve na base do projeto "CovidVentilSupport", um dos 19 vencedores da iniciativa desenvolvida pela Gulbenkian, EDP e Cuatrecasas para apoiar a criação de soluções digitais para combate à pandemia.

Linha para emergências

O projeto tem duas vertentes: uma plataforma digital, integrada com conteúdos intuitivos e de leitura rápida que permitem perceber as equivalências entre modelos; e uma linha telefónica sustentada por médicos especialistas com experiência em equipamentos de ventilação mecânica invasiva, para uma resposta mais imediata.

"É uma linha de emergência para que os clínicos possam rapidamente tirar dúvidas com especialistas que fazem parte de uma bolsa de contactos", explicou, ao JN, Patrícia Patrício, responsável pela gestão do projeto do HCP. A plataforma será disponibilizada em breve no site do Centro de Medicina Digital P5, da Universidade do Minho.

PUB

Já o alargamento do "CovidVentilSupport" aos restantes hospitais do país, acrescentou Patrícia Patrício, está a ser concertado com o presidente da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid-19, João Gouveia.

O projeto foi também pensado para dar formação rápida a profissionais de saúde que possam dar apoio nas unidades de cuidados intensivos. "Numa situação de exaustão, em que não teríamos recursos humanos suficientes para operar os ventiladores", refere Patrícia Patrício, pode ser usado para formar outros médicos e enfermeiros.

Recrutar profissionais de outros serviços hospitalares para as unidades de cuidados intensivos, para darem apoio sob supervisão de intensivistas, internistas e outros, é uma das estratégias da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid-19. Também o diretor do Programa Nacional para a Prevenção e Controlo de Infeções, José Artur Paiva, defendeu, em entrevista ao JN, que os hospitais devem preparar-se para as próximas ondas da pandemia alocando aos cuidados intensivos profissionais de saúde que trabalham noutros serviços, mas com vocação para a Medicina Intensiva.

Ventiladores da China

Portugal comprou ventiladores à China com botões e indicadores em mandarim. A denúncia foi feita pela bastonária dos enfermeiros, mas o secretário de Estado da Saúde, Lacerda Sales, desdramatizou, dizendo que esses aparelhos também têm indicadores universais.

Só chegaram 65

Dos 508 ventiladores encomendados e pagos à China, chegaram apenas 65. Os restantes permanecem retidos naquele país por questões burocráticas e de mercado, não tendo ainda sido anunciada uma data para a sua chegada.

UCI a meio gás

Esta semana, a taxa de ocupação das unidades de cuidados intensivos estava nos 51%, com 289 camas vagas e 334 ocupadas, anunciou o secretário de Estado da Saúde, considerando que o indicador dá algum conforto para novos casos no pós-confinamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG