O Jogo ao Vivo

Ensino

Diretores contra escolas de verão e regras nacionais do plano de recuperação

Diretores contra escolas de verão e regras nacionais do plano de recuperação

Governo apresenta, esta terça-feira, o plano de recuperação das aprendizagens para os próximos dois anos.

O Governo apresenta, esta terça-feira, o prometido plano de recuperação das aprendizagens, que deve ser aplicado até 2023. Os diretores, garantem os presidentes das duas associações (ANDAEP e ANDE), estão contra regras nacionais e uniformizadas para todas as escolas. E pedem autonomia e recursos para cada agrupamento aplicar o seu plano.

Nem escolas de verão nem um calendário prolongado como o de este ano. "Professores e alunos estão exaustos", frisa Filinto Lima. Na audição com o ministro e secretário de Estado Adjunto, o presidente da Associação de Diretores (ANDAEP) garante ao JN que defendeu o reforço dos recursos humanos - mais professores e mais técnicos especializados, como psicólogos ou terapeutas, fundamentais para a recuperação dos alunos. O 1.º Ciclo deve ser um alvo prioritário.

Menos turmas mistas

"Há necessidade de dar mais qualidade (e não quantidade) às aprendizagens através, por exemplo, de mais apoios individualizados ou coadjuvações em salas de aula", insiste.

Já para o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) é prioritário reduzir o número de turmas mistas (no máximo dois anos escolares por sala) no 1.º Ciclo e o número de alunos por turma. A fórmula que atribui o crédito horário às escolas também deve ser alterada, defende o dirigente.

"No próximo ano, mais uma vez, vai ser necessário que escolas e professores construam um plano. Audacioso, mobilizador e gerador de mais e melhores aprendizagens. Com uma classe docente zangada e que sente que a tutela não a valoriza", lê-se no documento entregue pela ANDE ao ministro.

PUB

O plano de recuperação foi anunciado após um diagnóstico, realizado pelo Instituto de Avaliação Educativa aos 3.º, 6.º e 9.º anos, ter revelado que mais de metade dos alunos aferidos dos dois anos mais velhos não atingiu os níveis de competência definidos como elementares. O Governo criou um grupo de trabalho para apresentar propostas.

"Apresentaremos um plano com base em evidências, com um conjunto de estratégias para tratar questões relacionadas com sucesso, recuperação, inclusão, que se centra na confiança que temos nos profissionais e nas nossas escolas e que terá uma estrutura de diferentes eixos", defendeu o ministro da Educação, na semana passada no Parlamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG