Premium

Donos de terras postas ao serviço do bem geral vão receber dois milhões

Donos de terras postas ao serviço do bem geral vão receber dois milhões

No próximo ano, os proprietários que ponham os seus terrenos florestais ou rurais ao serviço do bem comum serão financeiramente compensados, com um total de dois milhões de euros.

Em 2019, arrancarão dois dos três projetos-piloto: no Parque Natural do Tejo Internacional e na Paisagem Protegida da serra do Açor. Mais atrasada está a serra de Monchique.

Na fase piloto, o dinheiro para os chamados pagamentos por serviços ambientais (ou ecossistémicos) sairão do Fundo Ambiental. Não foi possível apurar quem financiará a medida daí em diante. Estes pagamentos são uma forma de compensar financeiramente proprietários florestais ou rurais que, em vez de explorarem os seus terrenos, aceitem que sejam usados em benefício do ambiente e da comunidade, explicou ao JN fonte oficial do Ministério do Ambiente.