JN Urbano

Quartos para universitários no Porto ao dobro do preço

Quartos para universitários no Porto ao dobro do preço

Começa a ser impossível encontrar no Porto, onde se calcula que haja 25 mil alunos deslocados, alojamento a preços inferiores a 300 euros mensais.

O aluguer de um simples quarto custa exatamente o dobro do que custava há quatro anos. O ano letivo aproxima-se e as dificuldades são cada vez mais.

É a subida mais acentuada de sempre. Os preços de quartos para estudantes universitários dispararam, levando ao desespero alunos que buscam uma solução de alojamento para o ano letivo que se aproxima. A tendência é nacional, mas é, sobretudo, no Porto e em Lisboa que a inflação se faz sentir com maior agressividade. No caso específico do Porto, os valores duplicaram nos últimos quatro anos. Em 2014, a mensalidade média rondava os 150 euros, atualmente as rendas dificilmente baixam dos 250/300 euros. As contas são da Federação Académica do Porto (FAP) e baseiam-se nas muitas queixas e denúncias de estudantes sobre os valores praticados no mercado de arrendamento para alunos do Ensino Superior. "Estamos a falar de quartos que, muitas vezes, não têm condições mínimas. De quartos individuais que acabam partilhados por mais de um estudante, de quartos cujos senhorios recusam passar recibo e, assim, impedem que o valor seja deduzido em sede de IRS pelos inquilinos", denuncia João Pedro Videira, presidente da FAP.

O caso da brasileira Thais Barcelos pode ser considerado o retrato tipo das dificuldades vividas pelos estudantes durante a busca de um teto acessível no Porto. Thais tem 21 anos, veio de São Paulo (Brasil) para tirar Engenharia Eletrotécnica no ISEP há três e, desde então, viveu uma autêntica montanha russa para conseguir alojamento estável. "Comecei por morar num quarto na zona do Amial pelo qual pagava 250 euros e onde até a sala foi transformada em dormitório. Passei depois para o Marquês, com uma mensalidade de 150 euros mais outras despesas. Daí mudei para junto do ISEP, pelo mesmo valor. E ainda morei perto de Arca D"Água, por 215, mas sem acesso ao resto da casa. Até que fui informada pelo senhorio, em agosto passado, que a renda ia aumentar. Agora, estou novamente à procura e não consigo encontrar nada pelos valores que antes pagava, é tudo mais caro", descreve Thais, acrescentando que "só o último senhorio passava recibo". "Os outros alegavam que não queriam problemas com as Finanças e recusavam passá-lo", denuncia. Filipe Correia, também estudante no ISEP, é de Marco de Canaveses e passou os três anos do curso num apartamento partilhado com outros dois colegas. À mensalidade de 190 euros acrescentava uma média mensal de 50 euros para pagar água, luz e internet. Vai iniciar o mestrado, pensou mudar de residência, mas rapidamente tirou daí o sentido.

"Desisti completamente da ideia. Vi vários apartamentos e quartos, mas nenhum mais barato do que 300 euros, raros eram os que rondavam os 250, por exemplo", conta Filipe. "Conheço casos de alunos que partilham quartos que dão apenas para uma pessoa, e às vezes mal, de forma a pouparem dinheiro", exemplifica. Juliana Silva, por seu lado, vive nas proximidades do Hospital de São João e debate-se com uma renda mensal de 200 euros, a que se somam mais 50 para cobrir outros gastos. "Ainda assim tenho mais condições do que no anterior apartamento. A mensalidade era de 350 euros, a área era mínima e nem sequer tinha mobília", descreve Juliana, que deixou Vale de Cambra, no distrito de Aveiro, de onde é natural, para se licenciar no Porto.

Por causa das rendas elevadas, somam-se casos de estudantes de fora do Porto que preferem fazer viagens diárias desde a cidade de origem porque não conseguem suportar o que lhes é pedido por um simples quarto. "Vêm das regiões de Penafiel, de Lousada, da Póvoa de Varzim, às vezes de bem mais longe, e têm que acordar pelas 6 horas. No fim do dia, se as aulas terminarem mais tarde têm que sair antes do final porque, caso contrário, não conseguem apanhar o último transporte que os leva a casa", contam Filipe Correia, Thais Barcelos e Juliana Silva, que, de ano letivo para ano letivo, ouvem cada vez mais relatos do género da boca de colegas.

A questão dos deslocados é das mais delicadas e de mais difícil solução no meio universitário do Porto. Segundo os números mais recentes, estudam no ensino superior público - Universidade e Politécnico do Porto - cerca de 55 mil alunos. Outros 20 mil em instituições privadas. Desta soma de 75 mil estudantes, um terço é originário de fora da Área Metropolitana e necessita, obrigatoriamente, de teto na cidade. Ora, as residências universitárias públicas apenas têm capacidade para 1100 camas no total, um número claramente insuficiente. O que leva a FAP a considerar que "há 25 mil estudantes desalojados no Porto". No entender de João Pedro Videira estes jovens são obrigados a recorrer ao alojamento privado, cada vez mais oneroso. "São estudantes que têm resposta pública zero, porque não existe alojamento suficiente para os acolher", explica o presidente da FAP.

É esta enorme massa que intensifica o recurso à procura por alojamento privado e que se confronta de frente com as altas rendas que lhes são pedidas. Basta uma breve passagem pelo site Uniplaces, onde se concentra o grosso da oferta de quartos destinados a estudantes, para confirmar a escalada de preços. São raros os exemplos de quartos disponíveis por menos de 300 euros, frequentes os avisos para a o pagamento integral de despesas extra (como eletricidade, água e internet), permanentes as exigências em relação ao cumprimento integral das condições para a concretização do aluguer. O mesmo pode ser comprovado nos muitos grupos na rede social Facebook onde são promovidos espaços para jovens. Em ambas as plataformas estão também disponíveis apartamentos destinados em exclusivo a universitários, cujo aluguer atinge preços entre os 1500 e os 2500 euros (ou até mais), cifra a ser dividida entre os diversos futuros inquilinos.

Os valores apresentados não surpreendem os senhorios, que consideram "normais" os preços atualmente praticados e "justificável" o aumento médio dos mesmos.

"É a tendência natural do mercado a funcionar. Não foram apenas os preços da habitação para estudantes que dobraram nos últimos quatro anos, tudo aumentou na mesma proporção, até nos supermercados", justifica António Frias Marques, presidente da direção da Associação Nacional de Proprietários (ANP). A tendência a que se refere António Frias Marques é a mesma que atravessa o Porto desde que o turismo explodiu e com ele arrastou num fogo crescente os preços dos imóveis - sejam para compra ou para aluguer. Um incêndio imparável que cercou, também, os estudantes universitários. E que não parece ter controlo possível nem aparente tamanha a escalada de preços do alojamento verificada nos últimos quatros anos.

Em maio deste ano, os estudantes aproveitaram o cortejo académico para denunciar a falta de alojamento para quem escolhe a Universidade do Minho para estudar. Passados três meses, são as imobiliárias que levam as mãos à cabeça porque não têm como satisfazer as necessidades dos alunos. "Há muita procura e pouca oferta" e arranjar um quarto ou apartamento disponível junto à academia é uma tarefa "quase impossível", assumem os colaboradores de duas das imobiliárias que mais lidam com este mercado.

Os senhorios não têm aumentado os preços dos arrendamentos - um quarto fica entre 150 a 200 euros -, mas também "não há espaços disponíveis", diz Joel Ferreira, da ImoCastro, sublinhando que este ano "ainda só tiveram três apartamentos" para arrendar, quando nos outros anos tinham 10 a 15 livres. "Quando surge um ou outro quarto é logo ocupado", assume Fernanda Brito, da Place Me, uma imobiliária da Associação Académica da Universidade do Minho. A solução dos jovens tem sido o arrendamento em prédios cada vez mais afastados da academia, como Lamaçães ou a zona da estação de comboios, onde há facilidade de transporte.

Em Lisboa, arrendar um quarto no centro da cidade, mais perto da maioria das universidades, custa em média 400 euros mais despesas, mas há casos em que chegam a ser pedidos 700 euros. Uma situação "alarmante" que, de acordo com o presidente da Associação Académica de Lisboa, João Pedro Louro, já leva os estudantes a optarem por ficar alojados em concelhos periféricos da Grande Lisboa, como Amadora, Odivelas e Sintra, onde, apesar de as rendas serem mais baixas, os quartos têm menos condições e as ligações de transportes públicos às instituições que frequentam são mais caras e mais difíceis.

Os valores não serão alheios à explosão do mercado turístico que se registou nos últimos anos na capital, com muitos proprietários a preferirem afetar as suas casas ao alojamento local. "Há quatro anos, os serviços da Associação Académica de Lisboa e as associações de estudantes recebiam pessoas que queriam arrendar os quartos a alunos universitários. Agora, não aparece ninguém", compara o dirigente. As alternativas acabam por ser as residências universitárias, cuja oferta é igualmente "insuficiente".

Em Lisboa, arrendar um quarto no centro da cidade, mais perto da maioria das universidades, custa em média 400 euros mais despesas, mas há casos em que chegam a ser pedidos 700 euros. Uma situação "alarmante" que, de acordo com o presidente da Associação Académica de Lisboa, João Pedro Louro, já leva os estudantes a optarem por ficar alojados em concelhos periféricos da Grande Lisboa, como Amadora, Odivelas e Sintra, onde, apesar de as rendas serem mais baixas, os quartos têm menos condições e as ligações de transportes públicos às instituições que frequentam são mais caras e mais difíceis.

Arrendar um quarto em Coimbra para estudantes situa-se, normalmente, em valores entre os 180 e os 220 euros mensais, sendo que as rendas mais baixas não têm, habitualmente, incluídas as contas. Nos últimos cinco anos, houve um aumento de cerca de 40 euros mensais nas rendas.

As zonas próximas do Polo I da Universidade e da Praça da República continuam a ser as mais procuradas pelos estudantes. A Alta Universitária e ruas como a Tenente Valadim, Padre António Vieira, Lourenço Almeida Azevedo ou Antero de Quental têm, normalmente, muita oferta de quartos para arrendar. Durante o período do verão, multiplicam-se os anúncios de arrendamentos espalhados em vários locais da Praça da República e zonas envolventes. Além do arrendamento de quartos, Coimbra tem a oferta das repúblicas. Casas típicas da cidade, há atualmente 26 repúblicas de estudantes na cidade.

Os Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra têm também uma rede de residências universitárias, com valores que podem ir dos 78 euros por mês (quartos partilhados) até aos 400 euros.

ver mais vídeos