Saúde pública

Água da torneira tem picos de químico e faz aumentar risco de cancro na bexiga

Água da torneira tem picos de químico e faz aumentar risco de cancro na bexiga

Na rede pública de abastecimento de água, foram detetados picos da presença de um produto químico que aumenta o risco de cancro da bexiga e que poderá estar associado a 183 casos de doença em Portugal.

A média anual detetada de trihalometanos (THM) é de 23,8 microgramas por litro, mas foram encontrados picos superiores a 300 microgramas por litro - três vezes acima do limite da União Europeia. A taxa de incumprimento, todavia, é de 0,6%.

Os dados foram compilados por uma equipa do Instituto para a Saúde Global de Barcelona, que comparou a presença de THM nos sistemas públicos de abastecimento de água de 26 países europeus. Em todos, as análises à qualidade da água concluíram que os valores médios estão bem abaixo do máximo permitido, mas nove países registaram picos superiores. Portugal é um deles.

O Ministério do Ambiente assegura, através de fonte oficial, que "a taxa de cumprimento relativamente ao trihalometano é de 99,4%". Ou seja, houve um incumprimento de 0,6%. E acrescenta que "os incumprimentos, muito marginais, são comunicados à autoridade da saúde, num prazo de um dia útil".

Este dado, a somar aos resultados globais das análises feitas à água da torneira, leva o Governo a garantir que "Portugal mantém o nível de excelência" na água da rede pública, que pode ser consumida "com confiança".

Tabaco é principal causa

O consumo de água com THM causará 5% dos cancros da bexiga, indica o trabalho da equipa espanhola. Mas está longe de ser o principal fator de risco deste tipo de tumores malignos. O urologista Arnaldo Lhamas admite que haja produtos cancerígenos na água, mas salienta que a principal causa de risco deste cancro é, de longe, o tabaco. Em segundo lugar, surgem químicos volatilizados como os usados nas tinturarias, e a ocorrência de infeções urinárias graves e frequentes.

Em todo o caso, Arnaldo Lhamas salientou que a incidência de cancro da bexiga em Portugal é semelhante ao resto da Europa.

Mortes evitáveis

No conjunto dos 26 países analisados, o estudo encontrou um total de 6561 casos de cancro da bexiga atribuíveis à exposição a níveis elevados THM. Em Portugal, o trabalho contabilizou 2021 pessoas com este tipo de cancro que estima que 183 tenham adoecido devido ao consumo de água com elevados níveis de THM.

Recomenda, por isso, aos países que cumpram os limites máximos de concentração deste produto químico na rede pública de distribuição de água.

O que são trihalometanos?

O cloro é o químico mais usado para desinfetar água, mas leva ao aparecimento de centenas de subprodutos químicos. O mais frequente enquadra-se na categoria dos trihalometanos, com propriedades cancerígenas.

Porque se desinfeta a água?

A água pode ser um meio de transmissão de doenças, através da ingestão, inalação ou absorção pela pele (ao nadar numa piscina, por exemplo). A desinfeção é fulcral para garantir a sua segurança para consumo humano.

Todos usam método igual?

Todos os países desenvolvidos tratam a água da rede pública, mas com métodos diferentes. A Finlândia, a Irlanda ou a Itália, por exemplo, também usam radiação UV e ozono.

Fatores de risco

O tabaco é o principal fator de risco, diz o urologista Arnaldo Lhamas. Mas não é o único e o IPO de Lisboa soma a exposição a aminas aromáticas, ou seja, a compostos químicos a que estão expostos trabalhadores de indústrias como a de borracha, papel, corantes, couro ou têxtil. Estão também expostas cabeleireiras e empregadas de limpeza.

1056 mortes em 2017

O cancro causou a morte a 27 503 pessoas em Portugal, em 2017. Dessas, 1056 perderam a vida devido a um tumor maligno da bexiga. Eram sobretudo homens com mais de 65 anos.