Polémica

Expresso diz que vídeo de Costa a chamar "cobardes" aos médicos foi editado

Expresso diz que vídeo de Costa a chamar "cobardes" aos médicos foi editado

O vídeo de sete segundos, em que se vê António Costa a chamar "cobardes" aos médicos em "off", durante uma entrevista ao semanário "Expresso", desencadeou um coro de críticas ao primeiro-ministro. Numa nota de esclarecimento, o jornal diz que o vídeo "não é o original".

O esclarecimento do "Expresso" surge esta segunda-feira, já depois de a direção do jornal ter manifestado "repúdio" pela divulgação do vídeo no domingo à noite, onde se ouve António Costa a chamar "cobardes" aos médicos envolvidos no caso do surto da covid-19 num lar de Reguengos de Monsaraz e que, segundo o presidente da ARS Alentejo, se terão recusado a prestar cuidados de saúde na instituição.

O semanário revela que "houve edição de som, aumentando-o de forma a que fosse perfeitamente audível; e foi gravado de um monitor, o que facilmente pode ser comprovado na sua visualização, por comparação com a qualidade de imagem do vídeo original".

O "Expresso" assume que houve um "lapso" e que aquela conversa foi de facto gravada. "Os microfones usados na entrevista foram desligados, mas por lapso o microfone interno da câmara não - pelo que ficou em fundo o som da conversa «off the record», reservada, que o primeiro-ministro teve com os jornalistas presentes na entrevista".

O vídeo de sete segundos chegou a ser enviado, também por erro, a dois canais de televisão, que acederam ao pedido do jornal para não transmitir aquelas imagens.

A direção do "Expresso" disse, mais uma vez, lamentar a divulgação do vídeo e já desencadeou procedimentos internos para apurar responsabilidades.

Outras Notícias