Rastreio

Falta de meios bloqueia marcação de testes

Falta de meios bloqueia marcação de testes

Utentes não conseguem marcar testes. Laboratórios do grupo Unilabs receberam 20 mil chamadas só na segunda-feira.

Os utentes do Norte referenciados pelas autoridades de saúde para fazerem o teste à Covid-19 estão a ter grandes dificuldades na marcação junto dos laboratórios recomendados. A procura disparou e a capacidade de resposta atingiu os limites. Na segunda-feira, havia linhas telefónicas entupidas e marcações recusadas por ter sido atingida a lotação máxima.

Ao JN, fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN) admitiu os constrangimentos, que resultam da elevada procura e do alargamento da atuação dos laboratórios a toda a região. De resto, assegurou que "a capacidade de resposta será aumentada por estes dias", sem conseguir precisar quando.

Todas as pessoas com indicação para fazer o despiste ao novo coronavírus recebem da linha SNS24 uma lista com os laboratórios convencionados onde devem fazer a marcação. O problema é obter resposta.

Foi o que aconteceu a Nuno Fernandes. Com tosse persistente há uma semana, decidiu ligar para o SNS24 e recebeu indicação para fazer o teste, devendo proceder à marcação após obtenção de uma mensagem SMS com códigos de acesso e uma lista dos laboratórios convencionados por região. Residente no centro do Porto, começou por ligar para o número dos laboratórios Carlos Torres (do grupo Unilabs), onde lhe foi dito que não estavam a aceitar marcações até sexta-feira. De seguida, tentou os do grupo Germano de Sousa na zona do Porto e os números estavam desligados. "Agora estou numa incerteza. Até posso estar negativo, mas na dúvida não posso sair sequer para ir ao supermercado. E se estiver positivo devo ficar à espera que os sintomas se agravem para me tratar?", questionou o utente, que vive sozinho.

Em toda a região Norte, os laboratórios dos grupos Unilabs e Germano de Sousa são os convencionados para a realização dos testes.

No call center do grupo Unilabs, que entre outras unidades assegura o "Drive Thru" instalado no Queimódromo do Porto, ontem a resposta era apenas uma: "Não estamos a aceitar marcações, por lotação da capacidade".

Ao JN, Luís Menezes, administrador executivo da Unilabs Portugal, deu três números para explicar o que se está a passar: os call centers têm capacidade para atender oito mil chamadas por dia e, ontem, receberam 20 mil. E a capacidade atual de realização de testes é de cerca de mil por dia. Como tal, os constrangimentos são óbvios, resumiu o responsável, assegurando que estão "a tentar fazer o maior número de marcações possível por dia".

O diretor-geral do Norte do grupo Germano de Sousa explicou ao JN que, devido a uma falha que ainda não havia sido detetada, o centro que cobre a zona Porto-Gaia tinha os dois telemóveis desligados desde sexta-feira e o da zona de Penafiel teve problemas ao final do dia de ontem. "Amanhã [hoje] já estarão em funcionamento", garantiu. Quanto a marcações, Manuel Magalhães assegurou que ainda estão a receber mas, para hoje, as disponibilidades já estão quase preenchidas.

Grande falta de material

Ainda sobre a capacidade de realização de testes, Germano Sousa, diretor do grupo, disse ao JN que estão a fazer cerca de 1400 por dia em todo o país, mas realçou que a produção poderá vir a ser afetada nos próximos dias pela "enorme dificuldade em obter reagentes", um problema que está a afetar unidades públicas e privadas. "Estava à espera de 30 mil reagentes dos EUA, mas ficaram retidos porque precisam deles na América", contou. Faltam também zaragatoas para fazer as colheitas, indicou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG