Covid-19

Vacinação nos maiores de 30 arranca em junho em todo o país, Lisboa com reforço

Vacinação nos maiores de 30 arranca em junho em todo o país, Lisboa com reforço

Recuar no desconfinamento em Lisboa e Vale do Tejo não está, para já, em cima da mesa. A estratégia para travar o número de casos passa por reforçar testes e vacinas. A vacinação nos maiores de 40 e 30 anos arranca em junho em todo o país.

Depois de António Lacerda Sales ter anunciado, nesta terça-feira, que o processo de vacinação contra a covid-19 iria sofrer uma "aceleração" em Lisboa e Vale do Tejo, antecipando o arranque da vacinação dos grupo etários dos 40 e 30 anos na região, a "task force" que coordena o processo veio esclarecer que o plano está previsto para todo o país. Assim, a abertura da vacinação para a faixa etária dos 40 anos, a 6 de junho, e para a dos 30, a 20 de junho, vai ocorrer em simultâneo em todas as Administrações Regionais de Saúde e não só em Lisboa e Vale do Tejo, confirmou ao JN fonte da equipa liderada pelo vice-almirante Henrique Gouveia e Melo. O autoagendamento deverá ficar disponível alguns dias antes das datas.

Esclarecendo que o processo está mais atrasado em Lisboa porque a região tem uma população mais jovem do que o resto do país (e não por ter mais pessoas, como disse Lacerda Sales), a mesma fonte explicou que o que vai ser feito é um reforço da quantidade de doses administradas em cada faixa etária que estiver a ser vacinada, de forma a acelerar a imunização da população.

Justificando o aumento da incidência de covid-19 na região, registado desde o início de maio sobretudo nos grupos dos 20 aos 40 anos, com a mobilidade em torno do concelho de Lisboa e os contactos familiares, o secretário de Estado adjunto e da Saúde garantiu que as autoridades de saúde e a Câmara de Lisboa têm trabalhado num "conjunto de medidas" que devem ser reforçadas para evitar que a situação se agrave e que as cadeias de transmissão atualmente ativas sejam quebradas. E assegurou que o Governo tem uma matriz de risco "bem definida", pela qual são guiados o confinamento e o desconfinamento. "A matriz de risco é a nossa Estrela Polar", afiançou o responsável, recusando abrir exceções para determinados concelhos.

Testagem reforçada e antecipada

Além do reforço do processo de vacinação, também a testagem está a ser reforçada, disse Fernando Almeida, presidente do Instituto Dr. Ricardo Jorge (INSA), explicando que "a testagem tende a adaptar-se" à situação epidemiológica.

PUB

O responsável prometeu a antecipação e o reforço dos testes à covid-19 nas escolas e uma especial atenção às populações vulneráveis, como as comunidades migrantes e refugiadas, que devem começar a ser testadas a 27 de maio. Vai aumentar também a sensibilização para as medidas de proteção individual dos trabalhadores em serviços de entregas, táxi e TVDE (como a Uber).

Em zonas onde, tradicionalmente, há uma grande concentração de pessoas, como o Bairro Alto, o Cais do Sodré e a Gare do Oriente, haverá unidades móveis para "testar e sensibilizar" para as medidas de proteção individual. E, a partir de 31 de maio, estão também previstos postos de testagem em restaurantes, comércio, hotelaria, mercados e feiras, em locais onde exista um grande aglomerado.

Fernando Almeida apelou ainda à "responsabilidade" de quem participe em eventos de maiores dimensões, como casamentos e batizados, recomendando que antes façam testes.

As mais altas taxas de incidência de covid-19 no concelho de Lisboa concentram-se nas freguesias centrais, mas os números também têm aumentado nas freguesias periféricas e nos concelhos próximos, disse André Peralta Santos, da Direção-Geral da Saúde, indicando que o concelho está atualmente com uma incidência de 143 casos por 100 mil habitantes a 14 dias e um Rt (índice de transmissibilidade) de 1,14.

Notando um aumento tanto da testagem como da taxa de positividade (encontraram-se mais casos positivos no total de testes realizados), o perito da DGS alertou que, caso a evolução epidemiológica se mantenha, Lisboa pode chegar à marca dos 240 novos casos por 100 mil habitantes em 14 dias dentro de duas a três semanas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG