Governo

Não há racionamento de testes à Covid-19, "há racionalização"

Não há racionamento de testes à Covid-19, "há racionalização"

Portugal encomendou 280 mil testes de despiste da Covid-19 e garante que não há racionamento. Novas regras entram em vigor sexta-feira.

"Não há racionamento nos testes, há racionalização nos testes", disse António Lacerda Sales, quando confrontado pelos jornalistas com casos de funcionários de lares que não foram sujeitos a teste de Covid-19 depois de contactarem com casos positivos no local de trabalho. Outros, fizeram o teste e pagaram do próprio bolso. "Não há racionamento a nenhum tipo de material", garantiu.

"Estamos a testar primeiramente profissionais de saúde sintomáticos, mas estamos a ponderar alargar os testes a doentes assintomáticos que possam ter contacto com doentes com Covid-19", acrescentou o secretário de Estado, incluindo as "pessoas que trabalham em lares e residências de idosos".

Segundo o governante, "estão a ser desenvolvidos os procedimentos necessários para a aquisição de 500 ventiladores na China, que chegarão progressivamente, até meados de abril, para além dos vários donativos que, desde já, reconhecidamente agradecemos".

"Estão também encomendados 280 mil testes e esta semana chegarão ainda 80 mil testes", disse António Lacerda Sales, anunciando que foi publicada, segunda-feira, a norma 4-2020. "Altera o paradigma de abordagem do doente com suspeita de covid-19", disse Lacerda Sales. "Trata-se da preparação de uma nova fase do SNS".

PUB

Segundo o secretário de Estado, a aplicação desta norma, a partir da meia-noite de 26 de março, "implicará a criação de pelo menos uma área dedicada à Covid-19 em cada agrupamento dos centros de saúde". Apesar disto, mantém-se a recomendação para ligar para a SN24 em primeiro lugar.

António Lacerda Sales antecipa que médicos adstritos à Linha de Apoio ao Médico (LAM) possam vir a ser libertados para trabalhar no combate à epidemia.

"Este é o tempo de cerrarmos fileiras, porque somos todos agentes de saúde pública", terminou António Lacerda Sales, que se fez acompanhar na conferência de imprensa do suddiretor-geral de Saúde, Diogo Cruz, em substituição da diretora-geral, Graça Freitas.

Outras Notícias