Sondagem

António Costa perto da maioria absoluta

António Costa perto da maioria absoluta

Socialistas chegam aos 43,2% e estão muito próximos de uma maioria absoluta. Sociais-democratas continuam a perder terreno. Bloco cimenta terceiro lugar.

O PS está no limiar de uma maioria absoluta. De acordo com mais uma sondagem da Pitagórica para o JN e a TSF, se houvesse agora eleições legislativas, António Costa (43,2%) conseguiria exatamente o dobro dos votos de Rui Rio (21,6%). O Bloco cresce e reforça o terceiro lugar (9,2%).

O líder socialista tem jogado pelo seguro, nestes últimos dias de vida do Parlamento. Anuncia disponibilidade para renovar o casamento à Esquerda, com papel passado. E soma-lhe um acordo na Lei de Bases da Saúde. Mas talvez não precise. Ou pelo menos é isso que sugerem os números.

A cerca de dois meses e meio das eleições, o PS continua a crescer, num movimento até aqui imparável, e feito sobretudo com a conquista do eleitorado ao centro: marca mais três pontos do que na sondagem de maio; mais seis do que em abril; mais onze do que nas legislativas de 2015. Do outro lado do espelho, o PSD encolhe sem parar: menos um ponto do que em maio; menos quatro do que em abril; menos 11 do que nas legislativas de 2015 (quando se compara o resultado da coligação PSD/CDS com a soma dos partidos à Direita, incluindo o Aliança).

44% não chegou para Guterres

Dos caminhos divergentes dos dois maiores partidos se poderá fazer a via socialista de acesso a uma maioria absoluta. Faltará pouco, mas a história ensina-nos que por um ponto se ganha e por um ponto se perde. Os socialistas só conquistaram o poder absoluto quando chegaram aos 45%, com José Sócrates, em 2005. Ao contrário, os 44% de António Guterres, em 1999, revelaram-se curtos.

Se o objetivo ainda não assumido falhar, Costa não terá problemas à Esquerda. A "geringonça" vale agora 59,2%, mais nove pontos do que a soma de há quatro anos. E mais 30 do que o conjunto dos partidos da Direita, que está em queda livre, quando se compara com o resultado da coligação liderada por Pedro Passos Coelho.

Na comparação do voto direto (sem redistribuição de indecisos) entre socialistas e sociais-democratas, os resultados são particularmente desnivelados entre os eleitores mais velhos (mais 30 pontos para o PS) e nas regiões Centro e Lisboa (mais 27 pontos). O PSD resiste um pouco melhor no Norte e nos dois extremos dos escalões de rendimento. Mais uma vez, o espelho do PS, que é menos forte nas regiões do Norte e tem mais pujança nas classes intermédias.

BE e CDU sobem na sondagem

À Esquerda do PS, as comparações são mais otimistas quando se tem em conta apenas a evolução nas sondagens. O BE sobe um ponto percentual face a maio e solidifica o terceiro lugar (9,2%), enquanto a CDU sobe três décimas (6,8%), aumentando a distância para o CDS (6%). Ainda assim, ambos perdem para o parceiro socialista, quando a comparação é feita com os resultados de há quatro anos (menos três pontos no conjunto, com os comunistas a serem os mais castigados).

Fossem hoje as eleições, e confirmassem elas as projeções que faz a Pitagórica, e teríamos três vencedores: PS, BE e PAN; e três derrotados: PSD (o pior resultado de sempre, abaixo dos 24,4% de 1976), CDU (o pior resultado de sempre, mais abaixo que os 6,9% de 2002), e CDS (o terceiro pior resultado, só destronado por 1987 e 1991, os anos do "partido do táxi", com 4,4%).

Rejeição a Cristas não pára de crescer

Más notícias para Santana Lopes. Não só o Aliança se vai esbatendo nas sondagens, como o ex-líder do PSD volta a liderar o índice de rejeição de voto (77% dos inquiridos responderam que jamais votariam nele para primeiro-ministro). Dito de outra forma, o mercado eleitoral está a estreitar-se para o homem que se propunha refundar a Direita. Acresce que Santana revela-se como uma espécie de ódio de estimação dos eleitores socialistas: 88,4% dão-lhe um cartão vermelho.

Em segundo lugar surge agora Jerónimo de Sousa. O líder comunista mantém os 70% de índice de rejeição (e bate recordes entre o eleitorado do PSD e CDS, onde marca 87,3%).

Cada vez mais perto, e em terceiro lugar, está Assunção Cristas, que, entre os partidos com assento parlamentar, é a líder que mais vê crescer o índice de rejeição: de 60% em abril, para 66% em maio, e 70% em julho. Desmotivador, quando há cada vez menos tempo para convencer o eleitorado. Sem surpresas, o ódio de estimação à presidente do CDS mora à Esquerda: 90,7% dos eleitores da CDU e 92,3% dos eleitores do BE jamais a escolheriam para primeira-ministra.

No campeonato dos principais candidatos a chefe do Governo não há alterações de monta: no índice de rejeição, António Costa mantém-se nos 41%, enquanto Rui Rio sobe para os 54%. Na firmeza de voto, ou seja, a percentagem dos que votariam de certeza para primeiro-ministro, o líder socialista desce um ponto para 26% e Rui Rio sobe um, mas para 14%.

No campeonato da falta de notoriedade (os que não são suficientemente conhecidos para merecerem avaliação), quem está pior é Carlos Guimarães, da Iniciativa Liberal (47%). A mensagem não chega, nem para o bem, nem para o mal.

PAN pode eleger vários deputados em Lisboa e no Porto

O PAN (Pessoas Animais Natureza) foi a surpresa das europeias, com a eleição de um eurodeputado. O partido que nasceu animalista e agora se afirma ecologista, poderá voltar a causar sensação a 6 de outubro. A sondagem da Pitagórica para o JN projeta um resultado de 3,6%. Parece pouco, a nível nacional, mas poderá representar um crescimento assinalável do grupo parlamentar, uma vez que os apoios estão concentrados no Porto (5,9% da intenção direta de voto) e em Lisboa (7,7%).

Se estes resultados se replicassem nas legislativas, o PAN poderia passar de um para três ou quatro deputados eleitos pelo círculo da capital. E estrear-se no Porto com dois ou três deputados. Mas há outras notas a reter na leitura fina desta sondagem: o PAN é um partido sobretudo feminino (4,1%) e alargou a sua influência para lá dos eleitores mais jovens - marca 6% na faixa etária dos 45 aos 54 anos.