Alimentação

Bastonária dos Nutricionistas "absolve" concessionárias das cantinas escolares

Bastonária dos Nutricionistas "absolve" concessionárias das cantinas escolares

"A falta de qualidade alimentar" nas cantinas escolares concessionadas, que tem sido reiteradamente defendida por encarregados de educação, "é uma falsa questão", no entender de Alexandra Bento, Bastonária dos Nutricionistas.

A chave para a resolução do problema da falta de qualidade da alimentação escolar, no entender da bastonária, seria resolvida com a criação da figura do nutricionista escolar. O exemplo foi dado esta quarta-feira, em Amarante, onde a responsável foi apresentar publicamente o "Ver para Querer", um projeto piloto de intervenção alimentar que há um ano a Ordem do Nutricionistas está da desenvolver na Escola EB 2,3 de Amarante. O projeto já provocou "mudanças" no tipo de alimentos disponibilizados às crianças, alterou a decoração da cantina e dinamizou sessões de educação alimentar alertando para a importância de uma alimentação saudável.

"Aqui temos exemplo de uma escola que tem a cantina concessionada. A questão é uma forte consciencialização da importância de alimentação da escola, o envolvimento da comunidade escolar, pais incluídos e depois trabalhar diretamente as questões com as crianças envolvendo-as. Quando assim é elas respondem afirmativamente", disse, ao JN, Alexandra Bento.

Recorde-se que Portugal é o quinto país com mais crianças com sobrepeso na Europa, com uma em cada três a apresentar excesso de peso ou obesidade, e que a Ordem dos Nutricionistas tem vindo, continuamente, a alertar para a necessidade da criação da figura do nutricionista escolar, prevista em Resolução da Assembleia da República de 2012.

Já em fevereiro deste ano, a Ordem apresentou uma proposta à Secretária de Estado Adjunta e da Educação, alertando para a necessidade de ter nutricionistas nas escolas para assegurarem a adequada alimentação servida às crianças, embora ainda não tenha recebido qualquer resposta até ao momento.

"Nós propomos 30 nutricionistas para todo o país. A medida custaria 500 mil euros ao Estado, mas os ganhos para a saúde seriam imensos", defende a bastonária.

Confrontado com a questão o diretor regional de Saúde do Norte, presente na ação, admitiu que "é fundamental" uma orientação na alimentação das escolas, dos doentes nutridos, dos diabéticos dos hipertensos. "Temos vindo a reforçar a colocação destes profissionais nos Centros de Saúde. Alguns não tinham nenhum, mas agora todos têm nutricionistas e faremos um trabalho de alargamento de profissionais nessa área, garantiu, Pimenta Marinho, sem, no entanto, se comprometer com a figura do "nutricionista escolar".

ver mais vídeos