Polónia

Carne de vacas doentes foi apreendida à entrada em Portugal

Carne de vacas doentes foi apreendida à entrada em Portugal

O Ministério da Agricultura anunciou, esta quinta-feira, ter apreendido 99 kg de carne de vaca contaminada proveniente da Polónia, tendo já encaminhado o produto para destruição.

"A Rede de Alerta Rápido, que integra o sistema de Segurança Alimentar da União Europeia (RASFF - Food and Feed Safety Alerts | Food Safety), emitiu um alerta dando nota da deteção de um lote de carne de vaca sem condições para entrar na cadeia de consumo, com origem na Polónia, tendo como destino um operador retalhista em Portugal", esclareceu o Ministério da Agricultura, em comunicado.

"As autoridades nacionais desencadearam de imediato todas as diligências, tendo apreendido a totalidade do lote de carne (99 Kg), que foi encaminhado para destruição", acrescenta o texto enviado ao JN. "A Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) apresentou já o relatório da situação às autoridades europeias", acrescenta o documento, que surge em resposta a uma notícia da Euronews, que esta quinta-feira de manhã colocou Portugal entre os nove países que receberam carne de um matadouro polaco filmado a aproveitar carcaças de animais feridos ou doentes.

"A prioridade, agora, é retirar do mercado todos os produtos oriundos deste matadouro", disse, em comunicado, o comissário europeu para a segurança alimentar, Vytenis Andriukaitis.

O escândalo foi revelado no sábado, através de imagens captadas de forma clandestina pelo canal TVN24. Num matadouro da região de Mazóvia, a pouco mais de 100 quilómetros da capital polaca, Varsóvia, o filme mostra funcionários do matadouro a retirar feridas, tumores e outros sinais de que a carne estava imprópria antes de a preparar para venda.

Esta carne, tratada sem o mínimo controlo veterinário ou sanitário, terá chegado a nove países, entre estes Portugal, e deixou a União Europeia em alerta, uma vez que a Polónia é um dos maiores produtores de carne bovina do Velho Continente, exportando 85% do que produz, maioritariamente para países parceiros.

"Peço aos Estados-membros afetados que tomem medidas rápidas", disse Vytenis Andriukaitis. "Exorto as autoridades polacas a concluírem urgentemente as suas investigações, tomando todas as medidas necessárias para garantir o respeito da legislação da UE, incluindo sanções eficazes, rápidas e dissuasivas contra os autores de um comportamento criminoso que representa um risco para a saúde pública e retrata um tratamento inaceitável dos animais", acrescentou.

Além de Portugal, a carne terá chegado ainda a países como Estónia, Finlândia, França, Hungria, Lituânia, Roménia, Suécia e Espanha.

A "Direcção-Geral de Alimentação Veterinária reforçou a fiscalização dos matadouros, uma vez que alguns funcionam como interpostos de carne. Outras entidades, como a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), reforçaram o controlo de outros pontos de distribuição de carne."