Debate quinzenal

Costa sobre Santa Casa no Montepio: "tenho pena não ter sido ideia minha"

Costa sobre Santa Casa no Montepio: "tenho pena não ter sido ideia minha"

António Costa defendeu, esta terça-feira, a entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio como um sinal de "reforço do sistema financeiro do Terceiro Setor".

O primeiro-ministro não explicou de quem surgiu a ideia de tal investimento mas foi direto sobre o que acha: "Não sei de quem foi a ideia - mas uma coisa eu sei, tenho pena de não ter sido minha. Porque a ideia é uma ideia boa".

Em resposta à líder do CDS, Assunção Cristas, que confrontou o Governo no debate quinzenal com o negócio do Montepio, Costa considerou que se a auditoria pedida por Pedro Santana Lopes, ainda como provedor na altura, vier a "apurar as condições e as vantagens de se fazer esse investimento", então trata-se de uma "ideia boa".

"A ideia é boa por uma razão fundamental: é que uma entidade que tem alta liquidez, como é o caso da Santa Casa da Misericórdia [de Lisboa], e que faz aplicação dos seus ativos, deve procurar diversificar os seus ativos. E que, quando uma instituição está a pensar - como o provedor de altura disse [Santana Lopes] - investir em entidades bancárias como o Novo Banco ou o BCP, poder investir numa entidade mutualista - que é importante para o Terceiro Setor [instituições de solidariedade] - pode ser um investimento importante", explicou.

Segundo o chefe do Governo, "a questão que falta saber é se essa ideia é realizável e positiva, ou não".

"É por isso que, e bem, o então provedor ordenou que fosse feita uma auditoria para se apurar as condições e as vantagens de se fazer esse investimento. A nova provedoria [de Edmundo Martinho] aguarda que esses estudos estejam concluídos para tomar as decisões", frisou.

Para António Costa, se se vier a verificar a injeção de 200 milhões de euros da Santa Casa no Montepio não se trata de desvirtuar as funções da instituição tutelada pelo Ministério da Segurança Social.

"Não é para tirar aos pobres para dar aos ricos. Porque o Montepio não é um banco qualquer. É um banco do terceiro setor. E reforçar o sistema financeiro do Terceiro Setor é reforçar o Terceiro Setor. E se for rentável, é reforçar os recursos que a Santa Casa aplica na erradicação da pobreza", concluiu.