ANPC

Governo passa combate a fogo em Monchique para comando nacional

Governo passa combate a fogo em Monchique para comando nacional

O ministro da Administração Interna passou, esta terça-feira, o comando do dispositivo de combate ao fogo de Monchique do comandante distrital Vaz Pinto para as mãos do comandante nacional. A decisão acontece quando a estratégia do comandante distrital de Faro está a ser criticada. É a segunda vez que Vaz Pinto sofre um afastamento na sua carreira, depois de 2012 ter sido demitido de comandante nacional.

Cinco dias depois do início das chamas no Algarve, Eduardo Cabrita provoca um volte-face no comando do combate ao fogo no Monchique e concentra a estratégia no Comando Nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Em conferência de imprensa ao final da manhã desta terça-feira, na sede da ANPC, o governante assegurou "face à dimensão da operação envolvida" o comando passa de Vítor Vaz Pinto diretamente para Lisboa.

"Decidimos passar a coordenação desta operação, ao fim destes dias, para o nível nacional de coordenação, na dependência direta do comandante nacional e da sua equipa", garantiu, sem nunca criticar as decisões de Vaz Pinto.

Vaz Pinto também cometeu erros em 2012

Tal como o JN adianta esta terça-feira, na sua edição impressa, este trata-se de um segundo revés para Vítor Vaz Pinto, já que, em 2012, quando era comandante nacional de operações de socorro da Proteção Civil teve de abandonar o cargo.

A demissão ocorreu então depois de um relatório demolidor do especialista em fogos Domingos Xavier Viegas sobre os erros cometidos no combate a incêndios na Serra do Caldeirão (Algarve) no verão desse ano.

Na altura, Vaz Pinto assumiu ter cometido um "erro pessoal" na avaliação do fogo que atingiu aquela serra e na estratégia adotada.

Este comandante, que já tinha estado no Algarve antes de chegar ao comando nacional da ANPC, acabou por ser substituído por José Manuel Moura, até então comandante dos Bombeiros Voluntários das Caldas da Rainha.

Por esse percurso e pelos alegados erros no comando desde sexta-feira, os bombeiros criticaram Vaz Pinto nas últimas horas.

Ministro destaca "resposta notável"

"Dada a dimensão da operação envolvida, que tem garantido que até agora, tendo-se verificado as maiores ações de evacuação, de deslocação de populações para zonas seguras, aplicando os princípios do 'Aldeia segura, Pessoas seguras', com uma grande intervenção de todas as entidades envolvidas no sistema, decidimos passar a coordenação desta operação, ao fim destes dias, para o nível nacional de coordenação, na dependência direta do comandante nacional e da sua equipa", disse Cabrita, que destacou que a "resposta de todas as entidades do sistema tem sido notável".

Sobre a tática pela qual Vaz Pinto optou desde sexta-feira, dia em que começou o incêndio, o ministro recusou apontar qualquer crítica ao comandante distrital. "Tem feito um trabalho notável, de grande competência técnica e de grande dedicação pessoal", disse Cabrita sobre o responsável algarvio, sobre o qual acrescentou que "tem sido sempre apoiado pelo segundo comandante distrital [Abel Gomes]".

Cabrita nega que haja planos para aprovação

Mas, naquilo que parece ser uma crítica a Vaz Pinto, que na quinta-feira, quando surgiu uma primeira e forte ignição em Monchique, recusou acionar o Plano Especial de Emergência, Cabrita chamou a atenção dos jornalistas que o Governo sabia que o Algarve estava sobre perigo acrescido, pelos efeitos do calor extremo. "No dia 1 de agosto, não foi por acaso que o local do país que escolhemos para chamar a atenção para as elevadas temperaturas extremas foi o Algarve", lembrou.

Cabrita revelou também que a ANPC já tinha enviado para Monchique, no final de domingo, o comandante distrital de Setúbal para apoiar nas decisões.

A decisão surge horas depois de a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais ter pedido uma audiência a Cabrita, por considerar que algo está a falhar na estratégia seguida por Vaz Pinto.

Quanto ao plano de prevenção na região que não teria sido aprovado, segundo referiram os produtores florestais algarvios, o ministro negou a sua existência.

"Não existe nenhum plano pendente para aprovação no Instituto da Conservação da Natureza e Floresta (ICNF)", assegurou, adiantando que o Ministério da Agricultura ainda esta terça-feira explicará em que ponto está esse processo.

Eduardo Cabrita apontou números concretos, apenas para quando o incêndio for extinto, sublinhando que "não é tempo para balanços, é tempo para combate".

ver mais vídeos