Protesto

Grupo de 25 militantes do Bloco abandona o partido

Grupo de 25 militantes do Bloco abandona o partido

Um grupo de 25 militantes do Bloco do Esquerda (BE), entre os quais dois irmãos do ex-coordenador bloquista Francisco Louçã, decidiram desvincular-se do partido, descontentes por "pouco" restar do seu "projeto original de ser uma força política em alternativa à sociedade existente".

Numa carta enviada esta terça-feira à Mesa Nacional do BE, inicialmente noticiada pelo jornal i e entretanto divulgada nas redes sociais, os agora ex-militantes justificam a sua tomada de posição com a impossibilidade de "ignorar o caminho de institucionalização dos últimos anos que transformaram o partido, de instrumento de luta política, num fim em si mesmo".

"O taticismo de decisões, o jogo da comunicação na sua forma burguesa, a ausência de qualquer ativismo local inserido numa estratégia de construção do partido, a progressiva ausência de pensamento crítico acompanhada pela hostilização da divergência interna e profundo sectarismo com outras forças de esquerda, transformaram o Bloco de Esquerda num projeto reformista centrado na sua sobrevivência", acrescentam os signatários, que criticam a reação do partido aos "incidentes" recentemente registados no Bairro da Jamaica, no concelho de Seixal.

A 20 de janeiro, cinco moradores daquela urbanização precária e um agente da PSP ficaram feridos na sequência de uma intervenção policial, parcialmente gravada em vídeo, que culminou com acusações de racismo e violência excessiva por parte das autoridades. O episódio foi prontamente criticado no Twitter pela deputada bloquista Joana Mortágua, mas acabou por ser Mamadou Ba, dirigente do SOS Racismo e assessor parlamentar do BE, a ganhar destaque, com uma publicação no Facebook, na oposição à atuação da PSP.

"É esse taticismo que justifica a posição tíbia a propósito dos incidentes recentes no Bairro da Jamaica no Seixal ou o desconforto sentido por ter sido um seu militante e assessor, Mamadou Ba, que protagonizou a denúncia de serem as forças policiais responsáveis por um racismo sistémico dirigido contra africanos e afrodescendentes dos bairros pobres. Ao ocultar esse racismo sistémico das forças de segurança e dos agentes do Estado, o Bloco coloca-se no lado errado do combate antirracista e perde espaço junto de uma geração que perdeu o medo e que trava os combates decisivos do nosso tempo", lê-se na missiva.

Em ano de eleições europeias e legislativas - agendadas, respetivamente, para 26 de maio e 6 de outubro - os agora ex-militantes bloquistas contestam ainda o apoio do BE "a um governo que perpetua a austeridade" e sublinham que, depois de contados os votos, "o país continuará profundamente desigual, a precariedade continuará a crescer nas relações de trabalho, o capital a ser um instrumento da sua própria acumulação".

"A esquerda que varreu o projeto revolucionário para debaixo do tapete, numa tentativa de ganhar respeitabilidade, não será assim tão diferente da esquerda que dele abdicou há muito. As duas convergem no conformismo fatalista que transforma o capitalismo no único sistema possível e a sua alternativa socialista em utopia alucinada. Pela nossa parte, continuaremos o combate, pelos meios ao nosso alcance, para uma alternativa que não se limite a gerir o sistema existente, mas que procure os caminhos para sua superação revolucionária. Para nós, a militância no Bloco de Esquerda acabou. Começamos de novo quando ainda está tudo por fazer", concluem os signatários.

Contactada pelo JN, fonte oficial do BE escusou-se a comentar esta tomada de posição.

ver mais vídeos