Exclusivo edição impressa

Inquérito nas escolas para saber quem é filho de ciganos ou africanos

Inquérito nas escolas para saber quem é filho de ciganos ou africanos

Sondagem questiona origem dos pais: se são ciganos, africanos ou brasileiros. A autora admite que o questionário, feito em escolas do Grande Porto e Lisboa e alegadamente autorizado pela Direção-geral de Educação, contém erros.

Um inquérito entregue esta segunda-feira aos pais dos alunos de pelo menos duas escolas do 1.º Ciclo do Grande Porto levou a que alguns tenham feito denúncias no Alto-Comissariado para as Migrações (ACM), na Comissão para Igualdade e Contra a Discriminação Racial e também junto de Rosa Monteiro, secretária de Estado da Cidadania e Igualdade. Em causa estão perguntas sobre a ascendência dos alunos e sobre a origem dos pais. Concretamente, os encarregados de educação são convidados a responder ao inquérito devem dizer se a origem do pai ou da mãe é "portuguesa, cigana, chinesa, africana, Europa de Leste, indiana, brasileira" ou outra.

Consulte aqui parte do questionário apresentado aos pais dos alunos

Entretanto, esta terça-feira de manhã, o diretor-geral da Educação, José Vítor Pedroso, comunicou que vão ser retirados todos os inquéritos entregues, assegurando que o documento nunca foi aprovado integralmente. A Comissão de Proteção de Dados, a quem a DGE pediu parecer, "aprovou, mas desde que fossem retiradas as questões relacionadas com a origem étnica dos estudantes", explicou.

O estudo, organizado pela CLOO, uma empresa de consultadoria em economia comportamental e coordenado pela investigadora Diana Orghian, tem por objetivo "melhorar os métodos educativos em Portugal" e refere que é feito em parceria com a Fundação Belmiro de Azevedo.

Ao JN, Diana Orghian afirma ter autorização da Comissão Nacional de Proteção de Dados e da Direção-geral de Educação (DGE) para o realizar mas fonte da DGE disse ao JN "nada ter a ver com o estudo".

O documento, com 15 páginas, foi distribuído em escolas do Grande Porto e de Lisboa e é composto por três documentos: os termos de participação e consentimento informado; a ficha de caracterização; e o questionário. Os pais podem recusar responder, mas devem justificar a decisão, tendo para o efeito de dizer se costumam ir às reuniões da escola e qual o papel da Ciência na melhoria da qualidade de vida.

Perguntas de comportamento

"Às vezes, gosto de fofocar" é uma das perguntas em que os pais devem responder verdadeiro ou falso, tal como em "Já senti inveja da sorte de outras pessoas" e "houve ocasiões em que me aproveitei de alguém". Apenas três questões são referentes à leitura entre pais e filhos, um dos objetivos que o estudo se propõe analisar e fomentar.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

ver mais vídeos