Estudo

Portugueses entre os que mais cresceram

Portugueses entre os que mais cresceram

Num século, os homens portugueses cresceram 13,9 centímetros e estão no nono lugar no top mundial. Portuguesas têm, em média, 163 cm.

Entre 1914 e 2014, num século e quatro gerações, mulheres e homens portugueses esticaram em altura. Eles cresceram 13,9 centímetros, de 159 para 172,9 - é esta a altura média dos portugueses com 30 anos em 2014. Um aumento que os coloca no nono lugar do top 10 mundial dos que mais esticaram. Elas chegaram aos 163 centímetros, cresceram 12,5 centímetros - quando, em 1914, a média rondava um metro e 50 centímetros. Na lista mundial da estatura média, com 200 lugares disponíveis, as portuguesas estão na 48.ª posição e os portugueses na 74.ª.

É na Europa que vivem os homens mais altos. Na Ásia e em África estão os mais baixos. As mulheres mais altas estão na Europa, sobretudo no leste, as mais pequenas moram em países asiáticos e africanos. Os dados estão num mapa mundial da estatura, o mais completo feito até hoje. Um estudo que envolveu mais de 18,6 milhões de pessoas de 200 países, que reuniu uma rede de 800 investigadores de várias latitudes, realizado em coordenação com a Organização Mundial da Saúde.

O mapa indica que os homens mais altos são os holandeses com uma média de 1,82 metros e os mais baixos os timorenses da parte Oriental com 1,62 metros. As mulheres mais altas vivem na Letónia com 1,70 metros e as mais baixas na Guatemala com 1,49 metros.

Os iranianos são os homens que mais cresceram, 16 centímetros em 100 anos. E as sul-coreanas as que mais esticaram, com mais 20 centímetros na fita métrica num século de vida. A Europa é o continente onde a estatura média de homens e mulheres mais aumentou. Em África, o crescimento é mais lento - as novas gerações de Serra Leoa, Uganda e Ruanda medem, em média, menos cinco centímetros do que há 40 anos.

A nutrição é um fator incontornável. Majid Ezzati, investigador do Imperial College de Londres, coordenador do estudo, referiu, ao diário espanhol "El País", que estes dados confirmam que o Mundo tem de olhar com atenção para a alimentação de crianças e jovens. "Para assegurarmos que lhes damos as melhores oportunidades possíveis", sublinhou.

Altos e baixos

Onde é que eles mais têm crescido? No Irão, Gronelândia, Coreia do Sul, Grécia, Japão, Bélgica, Espanha. E elas na Coreia do Sul, Japão, República Checa, Sérvia, Croácia, Groenlândia, Letónia, Grécia, Polónia e Holanda. Os mais baixos estão em Timor Oriental, Iémene, Laos, Madagáscar. E as mais baixinhas na Guatemala e Filipinas. Os belgas surgem logo a seguir aos holandeses, os mais altos do planeta, num quadro onde estão estónios, dinamarqueses, letões, bósnios, croatas. Do lado das mulheres mais altas, depois das letãs, estão as holandesas, estónias, checas, sérvias, eslovacas e dinamarquesas.

A altura é indicador da saúde de um país

A altura não é apenas um número gravado no cartão de cidadão. Os algarismos na fita métrica são um indicador de desenvolvimento de um povo. Ser alto surge associado a melhor saúde, vida mais longa, posição social mais confortável, maior sucesso na escola e no percurso profissional. Mais altos, menos problemas cardíacos. Mais altas, menos complicações para os filhos durante a gravidez e depois do nascimento. Mas quem tem mais centímetros na vertical tem maior probabilidade de desenvolver certos cancros.

Não é apenas a genética que está aqui em jogo. Nutrição, educação, condições de vida, prosperidade económica, têm também uma palavra a dizer quando o assunto é altura. "Se é mais alto é porque tem melhores comportamentos de saúde e, provavelmente, é mais esclarecido nas escolhas alimentares", afirma, ao JN, Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas.

Nutrientes certos na altura certa dão saúde e fazem crescer. "O desenvolvimento de um país também se nota na disponibilidade alimentar." "E é certo que temos menos carência alimentar estruturais e estruturantes", acrescenta a responsável.