"Luanda Leaks"

Isabel dos Santos saiu de Portugal à hora da reunião entre procuradores

Isabel dos Santos saiu de Portugal à hora da reunião entre procuradores

Isabel dos Santos esteve, na quinta-feira, em Lisboa a tratar de procurações para conceder plenos poderes de representação aos seus advogados e deixou o país, num avião da TAP, à mesma hora a que os procuradores-gerais da República de Portugal e Angola terminavam uma reunião sobre o futuro que a espera.

Ao que o JN apurou, tratou-se de uma visita-relâmpago a Portugal para conceder "plenos poderes" a representantes legais. Fontes próximas dos negócios que envolvem a filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos garantiram que dificilmente voltará a ser vista por cá nos próximos tempos, até pela possibilidade de em breve vir a ser emitido contra si um mandado de captura internacional por parte de Angola e de haver acordo de extradição entre os dois países.

A empresária - sobre quem recaem suspeitas de ter desviado 115 milhões de euros da Sonangol para o Dubai - saiu de Portugal durante a estadia em Lisboa do procurador-geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós, que veio pedir ajuda às autoridades nacionais. A empresária angolana rumou ao Reino Unido, num voo da TAP, precisamente à mesma hora em que decorria o encontro entre Pitta Grós e Lucília Gago, procuradora-geral da República (PGR) portuguesa.

Com um passaporte angolano e não com o russo - que também tem -, Isabel José dos Santos entrou em Lisboa anteontem, em plena convulsão do caso "Luanda Leaks" - que lhe aponta a participação em 155 sociedades portuguesas -, apurou o JN junto de várias fontes aeroportuárias e outras autoridades. Nesse mesmo dia, foi constituída arguida pela justiça angolana, por alegada má gestão e desvio de fundos da petrolífera Sonangol.

Acabou por abandonar o país ontem à tarde, em classe executiva, no voo TAP 1364, com destino ao Aeroporto de Heathrow, em Londres, onde aterrou já perto das 19 horas. A partida esteve agendada para as 16.05 horas, mas o voo sofreu um atraso de 20 minutos. A aeronave levantou no preciso momento em que Pitta Grós e Lucília Gago terminavam uma reunião de quase hora e meia, na sede da PGR, em Lisboa, sem declarações no final.

O JN sabe que, tendo em conta a necessidade da rápida alienação do capital do Eurobic, "concedeu plenos poderes de representação" nesse processo. Paralelamente, não só participou na decisão de saída dos três representantes que tinha na operadora Nos, entre os quais o presidente do Conselho de Administração, Jorge de Brito Pereira, como no reconhecimento do novo gestor do EuroBic - em substituição de Nuno Ribeiro da Cunha.

Finalmente, e a partir de um comunicado distribuído por uma agência de comunicação com sede em Londres, voltou a insistir na sua inocência, dizendo-se vítima de alegações "enganosas e falsas". "Sempre agi dentro da lei e todas as minhas transações foram aprovadas por advogados, bancos, auditores e reguladores", sublinha a nota.

Isabel dos Santos entrou no Aeroporto Humberto Delgado quando começava na Rua da Escola Politécnica o encontro entre Pitta Grós e Gago. O procurador-geral de Angola avisou, à chegada a Lisboa, ontem de manhã, que vinha "pedir ajuda de muita coisa" à sua congénere portuguesa.

Do lado português, o diretor da PJ, Luís Neves, mostrou disponibilidade para ajudar as autoridades angolanas. "Estamos preparados para qualquer pedido que formalmente venha a ser materializado", disse.

Outras Notícias