Fileiras

Já há mais graduados do que praças nas Forças Armadas

Já há mais graduados do que praças nas Forças Armadas

A situação é tão crítica que as associações de militares afirmam que deixou de fazer sentido falar em pirâmide hierárquica, pois a base já é inferior ao conjunto de sargentos e oficiais.

Há cada vez menos praças nas Forças Armadas. Segundo o Ministério da Defesa (que só forneceu dados dos últimos dois anos), em 2018 havia apenas 11 369 praças para 8738 sargentos e 6905 oficiais (num total de 15 643). E na Força Aérea até já existem mais militares nas classes de sargentos (2620) e de oficiais (1944) do que na de praças (1390), o que desvirtua a estrutura militar, cuja organização é vincadamente hierarquizada.

Ao JN, os representantes dos militares falam numa situação limite e traçam cenários negros para as Forças Armadas, caso não sejam adotadas medidas para reforçar o recrutamento e conter as saídas. Como o aumento de salários - um soldado aufere o ordenado mínimo - e a criação de um quadro permanente de praças na Força Aérea e no Exército, o ramo que mais efetivos tem perdido.

Ler mais na edição impressa ou versão e-paper