Parlamento

"Desconizar": Joacine denuncia "ataque" misógino de vice-presidente do Chega

"Desconizar": Joacine denuncia "ataque" misógino de vice-presidente do Chega

A deputada não inscrita Joacine Katar Moreira vai recorrer a todas as instâncias, "inclusivamente à Assembleia da República", e apresentar queixa judicial contra um vice-presidente do Chega, que publicou nas redes sociais a imagem de um autocolante colocado na porta do gabinete da deputada, manipulando-o, e onde passou a ler-se "Desco(lo)nizar este lugar".

A deputada Joacine Katar Moreira vai agir "em todas as organizações civis e judiciais" contra um vice-presidente do Chega, Pedro dos Santos Frazão, naquilo que considera ser "um ataque" a ela "e a todas as mulheres". Em causa está uma imagem publicada pelo atual vereador da Câmara de Santarém na rede social Twitter, manipulando "uma mensagem que está na porta do gabinete da deputada que dá para o exterior dos jardins de São Bento", como explica a própria parlamentar. E se inicialmente a imagem dizia "descolonizar está área", com a adulteração de Pedro dos Santos Frazão passou a ler-se "desco**nizar esta área".

PUB

"Vou queixar-me em todas as instituições e onde me for possível, nomeadamente na Assembleia da República", vinca a deputada não inscrita, acusando tratar-se de um gesto cometido por "um elemento que esteve na Assembleia a convite de alguém". Pedro dos Santos Frazão é atualmente vice-presidente do Chega e recém-eleito vereador por Santarém, nas Autárquicas de setembro.

Sobre o teor das queixas que irá apresentar, Joacine refere que as mesmas ainda estão a ser analisadas com uma advogada. "É uma imagem que é absolutamente representativa de um partido que é racista e, ao mesmo tempo, misógino e homofóbico", reitera. Para a deputada não inscrita, trata-se de "desfaçatez o ato de fazer aquela fotografia e um descaramento e à vontade de a publicar".

Recorde-se que, respondendo diretamente a um comentário de Joacine Katar Moreira no Twitter relativamente ao chumbo do Orçamento do Estado, Pedro dos Santos Frazão escreveu: "Senhora Deputada, prepare-se para desco**nizar a Assembleia da República! Se a porta ficar estragada pelo autocolante espero que lhe enviem a fatura do arranjo. Ciau, querida."

Joacine respondeu depois na mesma plataforma e comentou: "Fachos comemoram a minha saída do Parlamento. Isso para mim é o maior dos elogios. Sou o contrário de tudo o que vocês querem e precisam. Fico contente por provocar-vos azia e espuma amarga nos cantos da boca. Mas se pensam que a luta antiracista terminou aqui, estão enganados." A troca de ataques manteve-se depois com Frazão a reagir.

Lutar contra impunidade

Ao Jornal de Notícias, a deputada não inscrita sublinha que "é preciso iniciar-se um combate mais forte porque comporta características e tem uma participação parlamentar que, obviamente, é absolutamente antifascista e antirracista. São mensagens que se vão alastrando, normalizando e sendo relativizadas". Joacine Katar Moreira diz mesmo tratar-se de um ataque de que "ela tem vindo a ser alvo ao longo desta legislatura" e que está a ser perpetrado sobre quem está mais desprotegido partidariamente.

"Há dois ou três meses assistimos aos ataques a Inês Sousa Real, que foi igualmente alvo de ameaças, de comentários misóginos, assim como também a outra deputada não inscrita Cristina Rodrigues. Por isso, é preciso lutarmos contra a impunidade", pede. "Eles agem desta maneira porque têm certeza de que não lhes acontecerá absolutamente nada. Mesmo que as mulheres avancem com uma queixa, eles sabem que aquilo vai demorar meio ano ou ano até ser arquivado. É este ambiente de impunidade que está a permitir esta violência".

Até ao momento, Joacine Katar Moreira "não" recebeu "qualquer mensagem de outras parlamentares", mas tem "lido muitas que chegam de mulheres e de homens a condenarem esta atitude".

O JN questionou o gabinete do presidente da Assembleia da República sobre esta situação e também a secretaria-geral do Parlamento sobre se irá abrir algum processo de averiguações ao que se passou, mas até ao momento não obteve resposta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG