Covid-19

Marcelo não vai propor novo estado de emergência

Marcelo não vai propor novo estado de emergência

O deputado da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, afirmou esta terça-feira que o Presidente da República não vai propor a renovação do estado de emergência.

"Para nós, é um dia feliz porque vamos deixar de estar em estado de emergência", afirmou Cotrim Figueiredo aos jornalistas, no parlamento, depois de ter conversado, por telefone, com Marcelo Rebelo de Sousa.

O deputado da IL disse ter tido, na conversa telefónica com o Presidente, "a grata notícia de que se prepara para propor a não renovação do estado de emergência".

"Sujeito aos contactos com os outros partidos, do Governo, teremos chegado ao fim desta saga que tanto tem prejudicado o país", afirmou, e daí ser "um dia feliz" porque os portugueses vão "deixar de estar em estado de emergência".

Tendo em conta a posição do Chefe do Estado e "os resultados positivos" anunciados hoje de manhã na reunião com os especialistas no Infarmed, em Lisboa, Cotrim Figueiredo não acredita que "alguém se vá opor" ao fim do estado de emergência.

PUB

O deputado da Iniciativa Liberal disse ter alertado o Presidente da República que o Governo deve ter cuidado e "não pode ser facilitista" quando a algumas medidas em vigor, associadas ao estado de emergência, como a obrigatoriedade do uso de máscara na rua ou os horários dos estabelecimentos comerciais".

E evitou falar nas disposições que devem estar em vigor, agora com o fim do estado de exceção, mas disse não querer "sequer admitir o estado de calamidade".

João Cotrim Figueiredo acrescentou ser "evidente" que "não passaram todos os problemas em termos pandémicos", a partir de agira, "será uma responsabilidade que cada um assumirá individualmente e não por imposição de um estado de emergência".

O Presidente da República vai falar ao país hoje, pelas 20 horas, depois de ouvir os partidos sobre o possível fim do estado de emergência, que já disse esperar que terminasse no fim deste mês.

Há 20 dias, Marcelo Rebelo de Sousa disse esperar que o estado de emergência não voltasse a ser decretado para além de abril e que se pudesse entrar numa "boa onda" em maio, o que fez depender dos dados da covid-19 em Portugal.

A última etapa do plano de desconfinamento do Governo está prevista para a próxima segunda-feira, 03 de maio.

Portugal regista hoje cinco mortes atribuídas à covid-19, 353 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e uma nova redução do número de internamentos em enfermaria e cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim da DGS estão hoje internados em enfermaria 346 doentes, menos 19 em relação a segunda-feira, e 86 em unidades de cuidados intensivos, menos cinco.

Desde o início da pandemia Portugal já contabilizou 834.991 casos confirmados e 16.970 óbitos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG