Ovar

Marcelo rendido a Rui Rio: "Foi exemplar"

Marcelo rendido a Rui Rio: "Foi exemplar"

O Presidente da República, que esta sexta-feira tem almoço marcado com Rui Rio, em Ovar, lançou vários elogios ao líder da oposição, destacando a importância do seu papel na forma como a pandemia foi gerida em Portugal.

Depois de considerar que Salvador Malheiro foi dos "mais testados e sacrificados heróis" entre os autarcas portugueses, pelas "circunstâncias adversas" a que o município de Ovar esteve sujeito, o chorrilho de elogios foi direto para o presidente do PSD.

A atuação de Rui Rio "durante este período crítico, que ainda não terminou", foi "exemplar, tão exemplar que foi reconhecido cá dentro e lá fora", considerou Marcelo Rebelo de Sousa, antes de um almoço na Base Aérea de Maceda que juntou os três sociais-democratas. O chefe de Estado lembrou que os louvores internacionais não foram só para o Governo e para o primeiro-ministro, e que também o líder da oposição foi elogiado em vários países europeus e não europeus. Sublinhando o facto "singular" de ter colocado "o interesse nacional à frente do interesse partidário", Marcelo assinalou que essa união de esforços "deu uma força ao país que não se imagina". E ainda sublinhou que "ser líder da oposição é mais difícil do que ser primeiro-ministro". "Eu não conseguiria fazer o que ele fez. (...) Os portugueses não se esquecerão", rematou, enviando a Rui um "agradecimento nacional".

Em visita a Ovar, que se vai estender durante todo o dia, Marcelo Rebelo de Sousa explicou que, não podendo ir a todos os municípios do país afetados pela covid-19, escolheu um "exemplo fortíssimo". "Ovar não foi só a primeira cerca sanitária e a mais duradoura, foi também o [município] mais penalizado".

"Seria um desperdício" falar de presidenciais

Sobre a razão para o almoço com Rio, que antecede uma agenda preenchida durante a tarde com o primeiro-ministro, Marcelo justificou-se com a "unidade" que o líder da oposição proporcionou no país durante a crise. E antecipou que a convergência poderá não manter-se durante a crise económica: "Estamos a falar de um período muito longo e há visões diferentes".

Certo é que o Presidente da República evitou o assunto das presidenciais. "Acho que não vamos falar sobre o candidato a Presidente da República. Seria um desperdício. Hoje vamos falar do que é urgente e prioritário": emprego e rendimentos.

Também o líder do PSD fugiu ao tema e assegurou não haver "ordem de trabalhos" para o almoço. "Vamos falar sobre o que vier para cima da mesa", disse Rio, que agradeceu as palavras sobre a sua atuação durante a crise pandémica e retribuiu o reconhecimento a Marcelo. "Quando estamos na política colocamos sempre o interesse do país à frente", especialmente, afirmou, em momentos destes. Também aplaudiu a atuação de Malheiro e elogiou o município de Ovar. Mas quanto às presidenciais, garantiu que "o PSD ainda não abordou" o assunto e que isso virá "a seu tempo". Mas alertou que "o professor Marcelo também ainda não se disponibilizou para uma candidatura".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG