OE2022

Medina diz que orçamento injeta 7,6 mil milhões de euros no país contra a crise

Medina diz que orçamento injeta 7,6 mil milhões de euros no país contra a crise

Pacote prevê 1,8 mil milhões de euros contra a guerra de um total de 7,6 mil milhões de euros na economia.

A nova proposta de Orçamento do Estado para este ano (OE2022), entregue esta quarta-feira, prevê uma bateria de 30 medidas especificamente desenhadas para combater a crise (a que vem por arrasto da pandemia e a nova crise da energia e da guerra).

Segundo as contas apresentadas pelo ministro das Finanças, este pacote prevê injetar mais de 7,6 mil milhões de euros na economia. No Estado, nos orçamentos das famílias e das empresas.

Fernando Medina indicou que este OE 2022 "tem seis prioridades" repartidas por "30 medidas principais".

A primeira prioridade é logo a consolidação orçamental, que prevê uma forte compressão do défice (de 2,8% do PIB em 2021 para 1,9% este ano) e um novo corte de proporções históricas no rácio da dívida para 120,7% do produto interno bruto (PIB). Portanto, é uma prioridade que retira recursos à economia.

No entanto, o ministro recusou totalmente que esta segunda proposta de Orçamento para 2022 traga mais austeridade ao país. A primeira versão do OE foi chumbada no Parlamento no final do ano passado e o país foi para eleições por causa disso.

A bandeira "não há austeridade" de Medina

PUB

Os signos na bandeira "não há austeridade" de Medina são cinco. Todos eles refletem pacotes de medidas contra a crise que atualmente se vive em Portugal e na maioria dos países.

1. Para "mitigar o choque geopolítico" da guerra da Rússia contra a Ucrânia e dos preços da energia o governo diz que vai injetar na economia 1,8 mil milhões de euros. É um rol de medidas onde está a redução do ISP (como se fosse uma redução do IVA de 23% para 13%), apoios aos transportes, aos agricultores, às famílias mais pobres e aos refugiados.

2. Para reforçar os rendimentos das famílias por via de um "alívio fiscal" (desdobramento de escalões do IRS), apoios à natalidade e aos jovens o governo diz que reservou 475 milhões de euros neste OE.

3. As empresas recebem a fatia de leão dos apoios, segundo o ministro. Mais de 30% dos 7,6 mil milhões do pacote anticrise vai para "apoiar a recuperação das empresas". Será um impulso de 2,6 mil milhões de euros em medidas de "capitalização, investimento, inovação e simplificação" de burocracias que pesam sobre as empresas.

4. Medina recuperou ainda o papel crucial do PRR - Plano de Recuperação e Resiliência (que também é importante nas "prioridades" anteriormente referidas). A quarta prioridade é o tão falado "investimento na transição climática e digital", onde se incluem também melhorias na habitação. Vale 1,15 mil milhões de euros, diz o governo. O PRR vai ser a base desta iniciativa, sobretudo por via de subsídios a fundo perdido.

5. Para "recuperar os serviços públicos" estão marcados 1,6 mil milhões de euros. Mais 700 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), assim seja totalmente executado, algo que por vezes não acontece, o que se reverte como poupança para as Finanças na despesa. Nesta prioridade surge ainda o Plano de Recuperação e Aprendizagens centrado no "reforço do ensino público em dois anos letivos para recuperar dos efeitos da pandemia". Medina avalia este subpacote em 900 milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG